Em onze anos de atuação da marca Starbucks no Brasil, foram abertas 113 lojas no país. A rede trouxe um conceito muito diferente do modelo estabelecido em nossas cafeterias.  Com uma linha de produtos desenvolvida no mercado americano, a rede conquistou mercado a partir do conceito da oferta de um lugar agradável para o consumidor.

As cafeterias não são novidade no Brasil. Há um grupo muito grande de operações como esta, principalmente em São Paulo, onde o hábito de tomar uma xícara de café é muito difundido.

Esta semana divulgamos aqui no site a apresentação de Ligia Mello da Hibou, que nos falou do comportamento dos consumidores brasileiros em relação aos alimentos e bebidas. Em seu estudo, realizado em janeiro deste ano, fica demonstrado o desejo do brasileiro de beber mais chás e chocolates para revezar com o café.

Quando avaliamos o potencial de crescimento deste mercado, é fundamental termos em mente as mudanças de comportamento do consumidor. Por ter uma gama de bebidas que oferecem café, e ter outros tipos de bebidas a base iogurtes, além de chás e refrescos, o Starbucks acaba contando com uma oferta maior.

O terceiro lugar preferido pelo consumidor

Muito mais que uma cafeteria, a proposta do Starbucks é oferecer um ambiente onde as pessoas possam conversar e se sentir bem. No mundo moderno em que vivemos, onde o Wifi é tão importante como a oferta do  banheiro, a rede se transformou num local ideal para conversas, reuniões e muitas vezes um local de trabalho para empreendedores, já que muitas startups fazem reuniões em lojas da rede.

Numa cidade como São Paulo, uma boa oferta de Wifi pode fazer toda a diferença para a conquista de consumidores que estão em trânsito pelo cidade.

Rede Starbucks

Foram onze anos de atuação no Brasil para que a rede Starbucks chegasse em 113 cafeterias no país, sendo todas as lojas localizadas nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. O South Rock, que licenciou a operação, assumiu um compromisso de metas de expansão com a matriz e, em 5 anos, tem o desafio de chegar em 265 pontos de venda.

Para termos a dimensão da meta, eles precisam crescer 130% no número de lojas até 2023. A partir das metas que são menos agressivas, neste primeiro ano, o ritmo de expansão da rede será de 26 lojas novas nos anos de 2019 e 2020, e de 47 lojas por ano, de 2021 e 2022. Estes números foram divulgados em matéria do jornal Valor econômico na edição do dia 11 de abril.

A expansão nacional

O desafio só não é mais impressionante por sabermos que a rede não está presente em nenhuma capital além de São Paulo e do Rio, portanto, temos 24 boas opções para a chegada da cafeteria. Mas o fato é que este hábito de consumo de cafés é algo muito forte no sul e do sudeste, e muito distinto dos hábitos alimentares do centro oeste, nordeste e norte.

O formato de lojas mais acessíveis ao consumidor, onde literalmente ele pode conviver sem precisar gastar absolutamente nada, deve fazer sucesso em qualquer grande capital do país. Porém, o custo das bebidas tem um posicionamento premium e que valoriza o consumo de grande quantidade, muito distinto do nosso costume, que é do consumir em pequenas xícaras, e também será um desafio.

Outro potencial formato é expandir a rede para aeroportos brasileiros, onde a rede tem chance também de ganhar mercado, mas estas são operações de alto custo por conta do peso do aluguel.

O crescimento do mercado de chá

O consumo de chá traz cada vez mais competidores, mas a chave da questão está na pluralidade da oferta. Quem opera café precisa oferecer chá, e quem oferece chá podia pensar em ter café em suas operações. O novo perfil do consumidor, que valoriza as opções, acaba gerando espaço no mercado cada vez mais para espaços plurais que oferecem diferentes tipos de bebidas.

Como é perfil do mercado brasileiro, as redes ainda têm pouca participação. Segundo estudo da Global Data, as marcas independentes são responsáveis por 97% das operações, enquanto as redes representam 3% do mercado nacional. Neste mesmo estudo, a estimativa é que teríamos 78.828 cafeterias no Brasil em 2016.

Grandes redes brasileiras

Identificamos pelo menos oito redes que, juntas, contam com 1.226 lojas no Brasil, assim dispostas: Rei do Mate com 296 lojas, Casa do Pão de Queijo com 254 lojas, Grão Expresso com 243 lojas, Megamatte com 142 lojas, Fran’s Café 122 lojas, Starbucks com 113 lojas, Casa Bauducco com 40 lojas e Casa Pilão com 16 lojas.

Temos nos shoppings outra grande chance de expansão. Para se ter uma ideia, numa pesquisa rápida que fiz no site do Shopping Morumbi de São Paulo, encontrei 16 pontos de venda identificados como cafeterias, e ainda existem duas lojas especializadas em chá.

Isso dá uma amostra da concorrência e do desafio de trabalhar com cafeterias no país. Entendo que o desafio dos novos operadores do Starbucks é muito complicado, mas possível. Tudo dependerá do trabalho de captação de  interessados na abertura deste modelo de lojas.

A South Rock também fala no lançamento de diferentes modelos de loja, inclusive no modelo premium, ainda não lançado no Brasil. Caso o plano seja concretizado, em cinco anos, eles podem passar a liderar este mercado no Brasil.

Novidades

The Black Beef chega ao Shopping Ibirapuera

A hamburgueria inaugurou mais uma unidade no Shopping Ibirapuera e se prepara para, nossos próximos meses, também chegar ao Shopping Paulista e West Plaza. A rede já está presente em quatro estados e no Distrito Federal, com um total de 10 lojas. Além das duas novas lojas em São Paulo, a rede se prepara para chegar no Paraná com a primeira loja em Curitiba.

http://theblackbeef.com.br/

https://www.facebook.com/TheBlackBeef/

Loja no Shooping Ibirapuera – Avenida Ibirapuera, 3.103 – Moema – São Paulo

 

Peti “para levar” agora noMirante 9 de julho

O caderno Paladar do jornal O Estado de São Paulo destacou a novidade no Mirante 9 de julho. O chef Victor Dimitrow, do Peti, e o café Suplicy estão juntos em nova empreitada, depois de uma parceria de sucesso no renovado edifício Banespão (que ganhou o nome de Farol Santander). Desta vez, ocupam outro marco da cidade: o Mirante 9 de julho.

Nesta nova empreitada, Victor foi desafiado a criar um cardápio de comidinhas de rua sob medida para o perfil do público do espaço. Então, nada de pratos: tudo sai da cozinha em recipientes descartáveis, para comer ali, na escadaria ou levar embora.

Rua Carlos Comenale, s/nº – Bela Vista – São Paulo

https://www.facebook.com/mirante9dejulho/

Para continuar lendo acesse e se cadastre no site do jornal:

http://paladar.estadao.com.br/noticias/restaurante-e-bares,peti-para-viagem-chega-ao-mirante-9-de-julho,70002264379

Catarina, nova cafeteria leva grãos especiais a Pinheiros

O Estado de São Paulo destacou a nova cafeteria de Pinheiros.  Recém aberta, Catarina Coffee & Love está instalada dentro de uma loja de roupas e objetos de decoração chamada Hybrida. Entende-se que ali reinam os coados. Tem, sim, o expresso, mas até ele ganha tratamento especial nas mãos do barista.

Praça dos Omaguás, 56 – Pinheiros – São Paulo

http://catarina-coffee-and-love.business.site/

Para continuar lendo acesse o site do jornal e se cadastre:

http://paladar.estadao.com.br/noticias/bebida,nova-cafeteria-leva-graos-especiais-a-pinheiros,70002264371

Notícias

Mondial de la Bière em SP

Criado no Canadá e consolidado no Rio de Janeiro, o Mondial de La Bièrre desembarca em São Paulo de 17 a 20 de maio. Em sua 6ª edição brasileira, a feira reúne 60 cervejarias do mundo todo e mais de 500 rótulos para degustação.

http://www.mondialdelabieresp.com.br/

https://www.facebook.com/mondialdelabieresp/

Para ler a matéria complete acesse o site do jornal:

http://paladar.estadao.com.br/noticias/bebida,mondial-de-la-biere-em-sp,70002264410

Recomendamos a leitura

Revista Época Negócios

Edição de abril da Revista Época Negócios, matéria: a próxima revolução: seu prato. Depois da Internet da operação Carne Fraca e dos documentários da Netflix. O consumidor nunca mais foi o mesmo. A indústria alimentícia passa  seu cardápio a limpo para fazer às foodtechs e crescer em um nundo que já não engole qualquer comida.

A revista também traz uma entrevista com Patrick Brown da Impossible Foods e com Alex Atala: “não adianta demonizar a indústria de alimentos.”

A edição de abril da revista já está nas bancas de jornais.

Entrevista do chef Alberto Landgraf na edição de abril da revista GQ

A entrevista com o título de ‘Peixe Grande’ com o chef Alberto Landgraf. A matéria mostra que ele deixou São Paulo mesmo com o sucesso estrondoso do Epice, um dos melhores restaurantes contemporâneos da cidade. Obstinado, começa a colher os frutos da decisão: o Oteque, inaugurado em março, já é a maior sensação da gastronomia carioca.

“Para começar, no Oteque, ele fez uma cozinha três vezes maior e aberta para o salão. Ganhou da Electrolux equipamentos caríssimos e de última geração. incluindo um forno que permite gravar em uma chave USB detalhes de tudo o que já foi assado nele.”

A edição de abril da revista já está nas bancas de jornais.

Reginaldo Andrade

randrade@infood.com.br

A coluna Restaurant Man traz as principais notícias da semana 15  (09/04 a 15/04 de 2018), um resumo do que foi noticiado nos principais jornais e revistas e do que foi apurado por nossa equipe.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ganhe dinheiro com refeições rápidas e bebidas quentes e frias

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2018 Infood - Todos os direitos reservados