Cafira Foz, cearense, mas criada no Estado do Piauí, é quem comanda o restaurante Fitó. O nome da casa vem de um seu apelido de infância. Intuitiva e autodidata, Cafira rejeita o título de “chef”, dizendo ser apenas cozinheira mesmo.

Ela tem como referências da cozinha sua mãe e sua avó, e acredita ter encontrado na cozinha uma oportunidade. “Aprendi utilizando a tática de tentativa e erro, testando receitas na cozinha da minha própria casa.”

Cafira diz ter como intenção combater o esteriótipo de que o Nordeste só tem comidas gordurosas, produzindo uma comida saudável, saborosa e com poucos ingredientes.

Cafira é uma dos cinco finalistas do Prêmio Infood de Gastronomia 2017, na categoria Cozinheiro Revelação.

 

INFOOD – Como foi que você chegou na cozinha? Você não fez curso de gastronomia. De onde vem todo este talento?

CAFIRA FOZ – Nasci em Fortaleza, no Ceará, e me mudei ainda pequena para Teresina, no Piauí. Cresci na casa dos meus avós, que são piauienses, em contato com a natureza, entre palmeiras e cachos de buriti e árvores de bacuri, observando a criação de animais, como capotes, a galinha d’angola, porcos e caprinos, além de práticas e rituais culinários, como a carne de sol e a paçoca, que é o meu prato preferido. A gastronomia sempre me encantou, mas nunca tinha pensado em trabalhar profissionalmente na área. Cheguei a cursar moda e a trabalhar no varejo e produção de moda em São Paulo e em Florianópolis, antes de optar por empreender na gastronomia. Foi depois de passar uma temporada em Lyon, com a minha mãe, e de fazer viagens pela Alemanha, Espanha, França, Inglaterra, Itália, Portugal e Marrocos, percebi que poderia transformar a minha paixão pela gastronomia em profissão e em um passaporte cultural. 

INFOOD – Antes de montar o Fitó, você trabalhou em outros restaurantes?

CAFIRA – Eu comecei cozinhando para amigos e parentes, e investi muito em experiências gastronômicas e livros de culinária. Eu gosto de cozinhar e servir aquilo que me dá mais prazer.

INFOOD – Como foi o desafio de encarar a operação, sem ter a experiência? Contou com alguma ajuda?

CAFIRA – Como eu nunca consegui estudar de maneira tradicional, precisei de novos meios para aprender o ofício. Encontrei na cozinha uma oportunidade e aprendi utilizando a tática de tentativa e erro, testando receitas na cozinha da minha própria casa.

INFOOD – O Fitó é um restaurante de cozinha nordestina moderna. Podemos dizer que este é o conceito?

CAFIRA – A proposta do Fitó é ser uma extensão da minha casa, um espaço com amigos e para amigos. Receitas com uma aura familiar, num ambiente despretensioso. A principal inspiração acaba sendo o Piauí, Estado onde cresci e tenho familiares, mas a proposta é uma culinária brasileira sem muitas fronteiras nem rótulos. Então, este não é um restaurante piauiense, eu tenho até medo de cometer um equívoco me apropriando de uma cultura tão forte. Defino a cozinha do Fitó como brasileira, sensorial e, acima de qualquer coisa, afetiva.

INFOOD – Pelo que notamos, tirando o Thomaz, seu sócio, são todas mulheres na operação. Isto foi algo planejado ou aconteceu naturalmente?

CAFIRA – Eu sempre adorei a presença da mulher e as poucas experiências que eu tive na cozinha foram bem traumatizantes. Por isso, eu sabia que quando abrisse o restaurante só ia trabalhar com mulher. O mundo gastronômico não é fácil para as mulheres, e eu acho que o que fazemos é justo, já que, por vários outros motivos,nós não somos contratadas. O ambiente do Fitó é feminista e, principalmente, de acolhimento, já que tentamos empregar e dar oportunidades para minorias.

INFOOD – Existe alguma diferença em trabalhar com uma equipe na cozinha 100% feminina?

CAFIRA – Acredito que temos uma certa “mágica feminina” e que nós, mulheres, temos o poder de nos conectarmos com os alimentos e, assim, deixar a comida mais potente. Eu desconheço essa história de que não conseguimos trabalhar juntas.

INFOOD – A casa está sempre muito cheia. Como é o trabalho para expandir uma operação como esta?

CAFIRA – Nós estamos sempre investindo em tecnologia e em treinamentos periódicos com a equipe. O nosso objetivo é trazer boas experiências e alocar todos, mesmo com muito movimento, da melhor maneira possível.

INFOOD – Quais são suas referências na cozinha? Você se inspira em alguém?

CAFIRA – Eu sempre penso na minha mãe e na minha avó quando cozinho. Na minha casa, eu nunca as vi preparando refeições pesadas, então, a minha intenção no Fitó é combater o estereótipo de que o Nordeste só tem comidas gordurosas. Me inspirando nelas, eu busco fazer uma comida saudável, saborosa e com poucos ingredientes.

INFOOD – Como você consegue os insumos do Nordeste para suas receitas? É fácil buscar estes ingredientes em SP?

CAFIRA – Nossas receitas levam ingredientes que podem ser encontrados facilmente em São Paulo, tanto na zona cerealista quanto em lojas especializadas em produtos nordestinos.

INFOOD – Quais são seus planos para o futuro?

CAFIRA – Nosso plano é trazer novos drinques e petiscos para o jantar e happy hour, além de criar novas receitas e pratos para a próxima estação.

 

Fitó Cozinha

Rua Cardeal Arcoverde, 2773 – Pinheiros – SP/SP
http://fitocozinha.com.br/
https://www.facebook.com/fitocozinha/
https://www.instagram.com/fitocozinha/

 

 

Por Redação

Fotos: Ludmilla Bernardi / Divulgação

 

Deixe uma resposta

Restaurantes devem ter um vinho da casa?

Publicidade
Publicidade
© 2017 Infood - Todos os direitos reservados