O aquecimento do mercado de gastronomia na última década proporcionou a retomada de um profissional por muito esquecido ou preterido na abertura de um restaurante: o consultor gastronômico.

Visto como um serviço supérfluo pelo mercado, hoje este profissional tem sido cada vez mais requisitado. A escolha de uma boa consultoria é, sem dúvida, um excelente investimento a longo prazo.

Mesmo para aqueles proprietários que são cozinheiros e têm a habilidade de capacitar seus funcionários, hoje um bom consultor economiza tempo, tomando para si responsabilidades que tomariam preciosos minutos para novos ou já experientes empreendedores.

Contudo, é muito importante que alguns pontos sejam observados quando se pensa em contratar um(a) consultor(a):

1. Avalie a formação e a experiência do contratado

Talvez, a primeira grande característica de um bom consultor seja sua formação e experiência profissional. Hoje, grandes consultores são cozinheiros e chefes de cozinha que perceberam uma forma inteligente de aplicar seus conhecimentos práticos e um serviço que possa lhes garantir uma renda, e ainda facilitar a vida daqueles que sonham em entrar no mercado de alimentos e bebidas.

Esse foi justamente o meu caso. Consultor há 6 anos, tentarei expor aqui a melhor forma de você aproveitar essa parceria que pode ser sinônimo de sucesso para seu empreendimento.

2. Cheque as referências antes do primeiro contato

É recomendável que, antes de qualquer pedido de orçamento, o contratante conheça seu possível contratado.  E na era das redes sociais, essa pesquisa pode ser feita de forma simples e sem a necessidade de contato direto entre as partes.

Plataformas como o Facebook, Linkedin, Blogs e etc., podem proporcionar uma consulta rápida sobre históricos e capacidade profissional daquele que você deseja contratar para auxiliar na infraestrutura do seu novo empreendimento ou reciclagem do seu antigo negócio.

Procure também comentários acerca do profissional que você está pesquisando: muitas vezes, nos sites existem depoimentos e um portfólio de clientes atendidos. Entre em contato com eles e pergunte como foi o trabalho do seu “investigado”.

3. Cuidados no primeiro contato

Não menos importante, o contato e a demonstração de conhecimento são alicerces importantíssimos nessa relação comercial. Uma vez conhecidas as “credenciais” deste profissional, o próximo passo é o contato em si. E este é um momento crucial para determinar o profissionalismo do seu futuro consultor.
Normalmente, este contato é feito por site ou email do consultor (ou da empresa). Nesta fase, é importante que você seja direto nas suas necessidades, fazendo descrições objetivas do trabalho que gostaria que fosse desenvolvido. Desta forma o trato comercial será bem mais simples.  Preste bastante atenção neste primeiro retorno, pois ele poderá determinar toda a relação comercial que seguirá em um futuro próximo.

4. Faça cotações com pelo menos 3 profissionais

Questões como o tempo de resposta, as perguntas em si e os cuidados quanto à ortografia e clareza de pensamento são vitais para o desenvolvimento sadio do seu projeto.  Você não vai querer contratar um consultor que não possui senso de urgência no diálogo, que muitas vezes pode determinar uma oportunidade ou a perda dela.

É provável que como resposta, algumas perguntas que visaram justamente um melhor atendimento às suas expectativas sejam feitas.  Portanto, as responda de forma direta e clara. Além disso, é importante que você procure pelo menos três profissionais diferentes para comparar a performance de cada um e escolher aquele que mais se enquadra no seu perfil, dinâmica e, principalmente, no seu orçamento.

5. Procure um encontro pessoal para fechar o negócio

Preste atenção em posturas invasivas, como ligações e conversas pelo WhatsApp. Elas devem ser evitadas caso não sejam acordadas nos contatos via e-mail. Isso vale para ambas as partes.

Em linhas gerais, é aconselhável que você ou o consultor determine a necessidade de uma reunião para fechar alguns pontos antes do envio da proposta comercial. Esta questão é subjetiva e só é válida se for aceita pelas partes. Não vejo como vital mas, sem dúvida, uma conversa olho no olho pode ser benéfica para todos os envolvidos.

Caso a reunião não ocorra, é imprescindível que o consultor envie uma proposta comercial. A proposta deve ser exatamente como foi a comunicação de vocês até o momento: direta e clara.

Antes da assinatura, VOCÊ DEVE ENCONTRAR O(A) CONSULTOR(A).  Não assine nada sem uma conversa detalhada e frente a frente.

6. Desenvolva um documento para confirmar o que foi realmente contratado

No documento, devem estar refletidas todas as suas necessidades apresentadas e o detalhamento do serviço, fase a fase.  Deve também conter, de forma transparente, como o profissional irá proceder em cada etapa e como será cobrado seu serviço.

Normalmente, consultores trabalham com uma determinada hora de trabalho e especificam em cada fase as horas que serão gastas para execução. Estas horas são previsões determinadas normalmente pelos trabalhos anteriores. Elas não serão fixas. Mas isso não será um problema, uma vez que aceitando os termos, vocês trabalharão lado a lado e poderão verificar a melhor forma de contabilizar essas horas.

7. Envolva-se, faça da proposta comercial sua agenda

É importantíssimo que você esteja intimamente ligado ao seu projeto. Lembre que aquele profissional, em algum momento, irá embora e você precisará continuar seu trabalho. Quanto mais conhecimento você acumular neste momento, melhor. Pergunte TUDO!

A relação, a partir deste momento, irá se construir conforme as necessidades que surgirão no decorrer do tempo.  E é exatamente neste momento que sua pesquisa inicial sobre a consultoria se fará valer.

 

Por Gustavo Guterman

*Gustavo Guterman é Pós Graduado em Gestão em Segurança dos Alimentos pelo SENAC SP, Graduado em Gastronomia no centro de formação internacional Alain Ducasse Formation, Técnico em Cozinha pelo SENAC RJ. Experiência no mercado profissional, em cozinhas nacionais e internacionais, atuando como cozinheiro e chefe de cozinha em renomados estabelecimentos do segmento de alimentação e bebidas. Atualmente atua como coordenador de Gastronomia do Instituto Federal Fluminense. Professor nos cursos de Gastronomia e Hotelaria na citada instituição, exercendo consultorias e palestras na área. É também autor do blog (e página) Guterman Gastronomia, que tem por objetivo a divulgação de ideias, artigos e noticias sobre o mundo da gastronomia.
https://gutermangastronomia.wordpress.com
https://www.facebook.com/pg/gutermangastronomia/

Deixe uma resposta

Chef Meia Noite, do Capim Santo: “Não escolhi a cozinha: ela que me chamou”

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados