Mineiro de Uberlândia, Edinho Engel conduz há quase 30 anos o prestigiado Manacá, restaurante que fica em Camburi, litoral norte de São Paulo.

De família grande – oito irmãos – desde pequeno teve contato com a cozinha, mas só decidiu montar seu restaurante depois de ter trabalhado em várias outras áreas, inclusive no metrô, com planejamento de transportes.

Sua alma empreendedora e seu espírito aventureiro o fizeram construir uma sólida carreira aos poucos, com erros e aprendizados pelo percurso.  Sempre enaltecendo o peixe, que deve ser tratado com dignidade e simplicidade, Edinho argumenta que “o peixe pode e deve ser simples”.

Não bastasse seu sucesso em São Paulo, Edinho também comanda o Amado, badalado restaurante soteropolitano.

INFOOD – Por que você abriu um restaurante numa pequena cidade do litoral norte?

EDINHO ENGEL – Eu não fui para Camburi para investir em restaurante . Ninguém, em sã consciência faria isso. Em 78, montar um negócio no meio do mato, numa área que é um brejo e nem acesso de carro havia, era loucura. Mas só assim deu certo, porque foi aos poucos, devagarzinho…Eu pude errar, pude aprender. A coisa foi crescendo, e eu dei sorte, porque havia todo um movimento de migração do Guarujá para o litoral norte.

INFOOD – Como começou na área de gastronomia?

EDINHO – Eu estava naquela crise juvenil, de “o que eu faço da minha vida?” Eu já tinha trabalhado com várias coisas, entre elas, no Metrô, com planejamento de transportes. Mas eu sempre tive aquele espírito mais aventureiro.  Minha alma é uma alma empreendedora. E eu descobri que eu gosto de gente, gosto de gente em volta de uma mesa. Eu vivi em família grande.

INFOOD – De que forma surgiu o Manacá?

EDINHO – Comecei fazendo café da manhã para surfista, depois isso virou marmita durante alguns meses. E no final de 88, o Manacá já existia embrionariamente, e já está quase chegando nos 30 anos.

INFOOD – O projeto chegou no equilíbrio financeiro?

EDINHO – Eu acho que o dinheiro vem em decorrência de se fazer bem feito. A Wanda Nogueira, hoje Wanda Engel, minha cara metade, ‘pôs ordem no galinheiro’. Ela me ajudou muito. 

Edinho preparando um peixe em aula durante o Taste of São Paulo

INFOOD – Como teve a ideia do Amado?

EDINHO – Em função desse meu espírito cigano, no começo dos anos 2000, surgiu um convite para ir para Salvador. E lá acabamos também abrindo o Amado, um restaurante super bacana.

INFOOD – Quais os próximos planos?

EDINHO – Eu estou montando um bar. O Amado tem um espaço muito grande. Em crise, não dá para ter espaços muito grandes. Por isso, estou transformando o deck do restaurante num bar. Deve abrir em outubro e será o Bar Amado. Aquele lugar é muito lindo! De frente para o mar!

INFOOD – Qual o segredo para empreender e dar certo?

EDINHO – Tem gente que tem mais facilidade para empreender.  Essa habilidade eu tenho, de saber para onde ir, e de trabalhar muito.  Tenho o feeling do empreendedor, e conto com a ajuda de técnicos que me auxiliam. Hoje eu estou virando empresário sem querer ser.

Badejo grelhado com purê de cará

INFOOD – Quais as dificuldades para empreender no ramo da gastronomia?

EDINHO – Temos um governo totalmente corrupto e ganancioso, que quer todo o seu dinheiro. A mão de obra está cada dia mais cara. Tem-se uma inflação de insumos que vai crescendo, e não conseguimos mais por preço no nosso produto, então a margem está pequena.

Hoje, quem está com o nariz de fora está feliz. O importante hoje é achar mecanismos de sobrevivência. E nadar, ficar boiando. E na área de restaurantes, a gente observa que, ou são micro empresas de marido e mulher que gastam pouco na mão de obra, algo mais familiar, modelo europeu…ou então são redes, que têm uma grande dimensão. Quem está no meio, está se esforçando muito e sofrendo. E, na área de restaurantes ainda surgiu um outro dificultador nos últimos tempos: todo mundo começou a cozinhar em casa.

E tem aquela coisa de que todo mundo toma um vinhozinho…álcool zero é insanidade. Mata a gente. As pessoas também ficam com mais medo na questão de segurança. Então, sair para ir a um restaurante, virou lugar de celebração. Infelizmente, Salvador perdeu muito turista nos últimos anos.

Chef Edinho Engel

INFOOD – Qual o melhor jeito de se preparar um peixe?

EDINHO – O peixe pode e deve ser simples. Não existe peixe ruim e peixe bom. Cada peixe tem um jeito, e deve ser preparado de uma forma. Cada peixe tem um uso. Precisamos aprender a comer o peixe inteiro, e não só o filé. A gente precisa se permitir comer peixes de outras formas: cozido, ensopado, caldo de peixe. É necessário rompermos um pouco com o tradicional.

 

Restaurante Manacá

Rua Manacá, 102 – Camburi – São Sebastião/SP
Tel. (12) 3865 1566 
manaca@restaurantemanaca.com.br
http://www.restaurantemanaca.com.br

 

Restaurante Amado

Av. Lafayete Coutinho, 660 – Salvador/BA
Tel.(71) 3322-3520
http://www.amadobahia.com.br/

 

 

Por Redação

Fotos: Fernanda Moura

 

Deixe uma resposta

Um balanço do Mondial de la Bierè

Publicidade
Publicidade
© 2017 Infood - Todos os direitos reservados