Vivemos tempos de crise na formação de profissionais da área de gastronomia. Embora a profissão tenha alcançado um patamar nunca antes atingido, com a glamourização de chefs e expansão de programas televisivos culinários, há uma grande deficiência na preparação de cozinheiros.

Grande parte dos estudantes de gastronomia iniciam uma faculdade com a crença de que sairão chefs de cozinha, como se a distância entre ser aspirante a chef e tornar-se um jurado popstar de algum reality culinário fosse os dois anos de preparação universitária.

Ao longo de seus oito meses de vida, a INFOOD conversou com diversos chefs, consultores e demais empreendedores na área gastronômica a respeito da atual formação, e algumas constatações foram praticamente unânimes:

 

  • o cozinheiro formado sai do curso com o pensamento rígido de que já é chef de cozinha, com dificuldades, consequentemente, em aceitar que o começo de seu trabalho certamente será lavando muita louça;
  • o cozinheiro formado não tem a noção exata do árduo trabalho que o dia-a-dia dentro da cozinha exige;
  • o cozinheiro formado tem a crença de que a paixão pela atividade é o suficiente para o seu sucesso;
  • o cozinheiro formado ainda perde a disputa por vagas em restaurantes para alguém que, embora não tenha formação, possua mais conhecimento prático.
  • o cozinheiro formado nem sempre aprende conhecimentos suficientes da parte administrativa de um restaurante;

Em relação ao âmbito administrativo, o chef Jun Sakamoto defende que, caso o aluno queira trabalhar com gastronomia, ele deve fazer uma faculdade de administração. A paixão pela cozinha, conquanto tenha sua fundamental relevância, não pode ser fator exclusivo para o início de uma empreitada gastronômica. É necessário conhecimento mínimo na parte gestorial e anos de prática na cozinha, para que o negócio não entre na significativa lista de restaurantes que fecharam as portas recentemente no Brasil.

Muito da empolgação do aluno que opta por fazer uma faculdade de gastronomia vem do glamour que maqueia a profissão, oriundo dos pouquíssimos chefs de cozinha que estampam capas de revistas semanais e aparecem distribuindo broncas e pitacos em programas culinários da televisão, que só aumentam ao longo dos anos.

O conceito da palavra formação deriva do latim formatio e se trata da “ação e efeito de formar ou de se formar”. Quando falamos sobre a formação acadêmica, referimo-nos a alguma aula, curso ou sessão destinada a adquirir ou atualizar conhecimentos profissionais ou relacionados a uma atividade. Será que o aluno graduado em alguma das 134 universidades – públicas e privadas – autorizadas pelo MEC que oferecem cursos de gastronomia no Brasil está adquirindo conhecimento e sendo preparado de uma maneira adequada e suficiente para o mercado gastronômico?

Essa grande indagação motivou a nós, da INFOOD, a elaborar uma série de reportagens a respeito da atual formação na área de gastronomia em nosso país. A partir de hoje e até o final do mês, o nosso leitor encontrará diversas opiniões a respeito do assunto, desde a de professores e coordenadores dos cursos de gastronomia até a de profissionais que estão no mercado.

Através de entrevistas, pesquisas e dados, procuramos jogar uma luz no atual cenário de crise da formação gastronômica, buscando apontar um caminho para os próximos anos e mantendo em mente a missão de defender uma atividade intrínseca à cultura do nosso país.

Redação

Acompanhe nossas matérias:

 

Coordenadores dos cursos de gastronomia comentam a formação na área – Redação Infood

Cursos capacitam profissionais para a gastronomia – chef Marcelo Santos

Mantenha a qualidade da sua cozinha – chef Marcelo Santos

Guia das Faculdades de Gastronomia – Redação Infood

Você já pensou em ser chef de cozinha? – chef Marcelo Santos

Em busca da perfeição: a pressão dentro da cozinha – chef Marcelo Santos

Chefs comentam a crise na mão-de-obra – Vinícius Andrade

A dificuldade em contratar na área de gastronomia – chef Marcelo Santos

Gastromotiva: a democratização da gastronomia – Ernani Gouvea

Como é a formação dos chefs de cozinha no Brasil– chef Marcelo Santos

Faltam sommeliers no Brasil – Alexandra Corvo

 

Deixe uma resposta

Acessibilidade na gastronomia

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados