O Panorama do Mercado Vegetariano uniu as expertises da Galunion e da Equilíbrium para buscar um conteúdo inédito sobre o tema.

Estudaram a fundo o consumidor vegetariano e seus hábitos de consumo fora do lar – comem fora? O que ? Com qual frequência? Que tipos de restaurantes frequentam? Que pratos e ingredientes apreciam? E o consumidor onívoro (aquele sem restrição alimentar), se interessa por produtos vegetarianos? Está disposto a experimentar? Todas estas respostas foram dadas através de um estudo quantitativo on line com mais de 4000 consumidores por todo o país.

Estudos internacionais já confirmam: os consumidores de hoje conhecem muito mais sobre comida e são muito mais exigentes em relação à alimentação, sobretudo as gerações Y e Z.  Dentro deste contexto, uma tendência que se destaca mundialmente é a do vegetarianismo, dieta que consiste numa alimentação baseada em produtos de origem vegetal.

Deste eixo principal, vemos surgir diversas variações – das mais suaves, que englobam dietas “flexitarianas” (que apoiam numa diminuição do consumo de proteínas animais em dias da semana determinados), até mesmo as formas mais holísticas, que muitas vezes ultrapassam a definição de dietas e se tornam filosofias de vida, caso dos vegetarianos estritos ou veganos.

O Panorama do Mercado Vegetariano uniu as expertises da Galunion e da Equilíbrium para buscar um conteúdo inédito sobre o tema. Estudaram a fundo o consumidor vegetariano e seus hábitos de consumo fora do lar – comem fora? O que ? Com qual frequência? Que tipos de restaurantes frequentam? Que pratos e ingredientes apreciam? E o consumidor onívoro (aquele sem restrição alimentar), se interessa por produtos vegetarianos? Está disposto a experimentar? Todas estas respostas foram dadas através de um estudo quantitativo on line com mais de 4000 consumidores por todo o país.

Também foram entender a visão do profissional de saúde, especialmente os nutricionistas. Perguntou-se a mais de 180 profissionais estabelecidos no eixo Rio -São Paulo sobre sua visão sobre este tipo de dieta, opinião sobre o crescimento do mercado, principais demandas dos pacientes, etc. Também buscou-se informações sobre o tema na mídia, através de influenciadores digitais e formadores de opinião.

Por último, foram agregados ao estudo as principais tendências mundiais em alimentação saudável e uma visão prática da oferta vegetariana no foodservice em São Paulo e Rio de Janeiro, mapeando as principais tendências culinárias e conceitos vegetarianos.

E como o estudo pode ajudar você? Todo o conteúdo foi compilado e analisado por profissionais da área, trazendo insights poderosos para quem quer saber mais sobre o tema e movimentos do mercado brasileiro. Você terá uma visão do mercado por diferentes prismas: do ponto de vista do consumidor, de um profissional especializado, de formadores de opinião. E, mais que tudo, terá exemplos vivos de tendências e de conceitos que já estão “vivendo” isto.

A Infood conversou com Claudia Algranti, da Galunion, sobre esse estudo do mercado vegetariano.

 INFOOD – Vocês ouviram 4 mil consumidores, entre pessoas vegetarianos e não vegetarianos. podemos dizer que a busca por cardápios vegetarianos está crescendo?

CLAUDIA ALGRANTI – Sim, com certeza. Apesar do percentual de vegetarianos no país ainda ser pequeno, o número de pessoas que tem aderido ou simpatizam com a dieta e estilo de vida vegetarianos cresce muito. De acordo com o estudo que realizamos, mais de 54% dos vegetarianos aderiam à dieta vegetariana há menos de 4 anos. Um termo que está muito em voga atualmente é o “flexitariano” ou “reducitariano”, ou seja, pessoas que não são de fato vegetarianas, mas procuram um equilíbrio no dia a dia através da redução do consumo de proteínas animais seja em quantidade, ou em alguns dias da semana.

INFOOD – Existe algum motivo e indicador que ancorem estas mudanças de comportamento do consumidor?

CLAUDIA – Os consumidores de hoje conhecem muito mais sobre comida e são muito mais exigentes em relação à alimentação, sobretudo as gerações Y e Z. É também, um consumidor totalmente conectado, que se preocupa com disponibilidade de alimentos no mundo, com a procedência, impacto ambiental, bem estar animal ao longo da cadeia produtiva de alimentos. Por todos estes fatores, estão muito mais abertos “ao novo” como a culinária étnica, novos ingredientes, dietas diversas.

INFOOD – Faz sentido um restaurante destacar parte do seu cardápio para opções vegetarianas? Isto deverá se transformar numa tendência nos próximos anos?

CLAUDIA – Sim, totalmente. Se um restaurante opta por dedicar parte de seu cardápio ou até mesmo um único prato aos vegetarianos, ele amplia seu público consumidor e aumenta suas possibilidades de faturamento uma vez que passa a não ser mais “vetado” por consumidores vegetarianos.

INFOOD – Fala-se muito em comida saudável, mas é correto falar de comida saudável para definir este movimento?

CLAUDIA – A culinária vegetariana não está necessariamente relacionada à saudabilidade, uma vez que pode conter ingredientes extremamente indulgentes e de alto valor calórico. No entanto, como muitos restaurantes vegetarianos comunicam frescor e procedência,levam a esta correlação.

 

Quer saber mais?

Entre em contato com: Claudia Algranti – calgranti@galunion.com.br

 

Galunion

site – http://galunion.com.br/

 

Por Redação

Foto: Divulgação

 

Uma ideia sobre “Estudo do panorama do mercado vegetariano no Brasil”

Deixe uma resposta

Márcio Silva: “No Buzina nós fazemos o que a gente gosta, cozinhamos o que a gente come”

Publicidade
Publicidade
© 2017 Infood - Todos os direitos reservados