O painel Grab and Going aconteceu no primeiro dia do seminário Foodbiz e reuniu 3 nomes com destacada atuação no foodservice brasileiro: Marcello Monero, executive manager da rede AM/PM da Ipiranga, Renato Shiratsu, Innovation Director Coca Cola e Marcelo Citrângulo, Business Executive Office da Nestlé.

Os três palestrantes falaram das iniciativas de suas empresas e de projetos de inovação na busca de soluções de venda cada vez mais otimizadas.

Uma solução de alimentação

Marcello Monero apresentou a proposta de valor da rede AM/PM dos postos Ipiranga: “A AM/PM é uma solução de alimentação para consumidores em deslocamento. Muito mais que vender combustível, nós somos um ponto de parada.

A rede fechou 2016 com 1.968 lojas, e só no 1º semestre deste ano já foram lançadas 100 lojas. “Somos líderes de mercado de conveniência, com 43% do mercado (dados Sindicom), e já somos a 4ª maior franquia em faturamento do país. São 170 milhões de consumidores em nossa rede”, explica Monero.

Inovação nos diferentes formatos de loja

Um dos processos de inovação da rede tem sido o desenvolvimento de uma família de lojas, com diferentes soluções de oferta nos 4 formatos: conveniência tradicional, com padaria e beer cave, super store (com carnes, frutas e verduras) e estação.

AM/PM Estação em Saquarema, no Rio de Janeiro

Estação – Uma loja que não é só de conveniência, mas uma opção de alimentação na estrada com: padaria, restaurante, pizzaria.

Conveniência com padaria – A rede chegou em junho em 747 lojas com padarias, e segundo Monero, isto faz da AM/PM a maior rede de padarias do país, vendendo 30 milhões de pães por mês.

Os diferentes modelos de loja ampliam o potencial de faturamento.  “Uma padaria transforma o faturamento do ponto, mais que dobrando. Em média é ampliado 2,5 vezes, atraindo novos consumidores e aumentando a recorrência. Nas lojas com beer cave tivemos 200% de crescimento na venda de pack de cervejas e já lançamos o wine cave.”

A Padaria AM/PM amplia o faturamento da lojas em 2,5 vezes

Como a Coca Cola Inova

Renato Shiratsu defende que não é possível falar de conveniência sem falar do consumidor, e ele lembra a primeira transformação da Coca Cola: “A primeira transformação transacional da Coca Cola ocorreu em 1899, pensando em conveniência. O produto foi engarrafado, e esta foi a primeira grande inovação.”

Para trabalhar com inovação é preciso entender o consumidor: “O consumidor precisa estar no centro de tudo. Precisamos entender o consumidor e sermos empáticos a ele. Às vezes pensamos no negócio, queremos falar com o consumidor, mas estamos esquecendo de ouvi-lo.”

Otimize a oportunidade

Renato explica como a Coca Cola trabalha com uma reposta negativa: “Em um projeto onde investimos muito e chegamos numa resposta negativa, precisamos ajustar o projeto. Para sobreviver, precisamos otimizar. Otimizar o tempo do consumidor, para mim, é conveniência.

Ele defende uma imersão no comportamento do consumidor: “Precisamos entender o dia a dia, entender o dia por completo. Olhando a rotina do consumidor entendemos que está tudo resolvido, mas precisamos olhar com uma lupa para buscar brechas, as oportunidades“, nos conta Renato.

Projeto Bill Boss

Bill Boss é um aplicativo que ajuda o pagamento da conta

Renato apresentou um projeto piloto da Coca Cola que reforça o conceito de olhar a rotina do consumidor e buscar possibilidade. Um aplicativo que facilita o pagamento da conta e que foi desenvolvido pela companhia.

Veja o vídeo abaixo:

Você pode também dar uma olhada no site do projeto que ainda está em teste:

Bill Boss – http://www.billbossapp.com/

Renato apresenta as vantagens do consumidor e reforça o principal, a conveniência: “Agilidade e economia para o consumidor, que consegue dividir a conta por igual. E sair mais cedo da mesa e pagar sua parte corretamente, sem precisar fechar toda a conta.”

Precisamos acelerar as oportunidades

Marcelo Citrângulo começou sua apresentação explicando porque entende que o foodservice oferece oportunidades de crescimento: “Precisamos acelerar as oportunidades a partir da experiência de consumo fora de casa. Esta é uma área de muitas oportunidades. Ainda estamos muito menos desenvolvidos se comparados com outros países“.

A loja ainda é o maior canal de consumo: “Estamos falando de Grab and Go, de compra por impulso, e precisamos lembrar que o principal local de consumo ainda é a loja. Por iss,o o ponto de venda tem grande importância.”

Marcelo defende uma maior reflexão em como estamos aproveitando as oportunidades: “Que tipo de experiência estamos oferecendo? Pensar na surpresa do impacto. O consumidor escolhe as lojas pelas vantagens que tem e pela experiência. Que vantagem estamos oferecendo? Precisamos pensar em vantagens de preço e de solução de receita“.

Estamos oferecendo algo diferenciado?

O grande desafio para Marcelo é buscar a diferenciação: “O que estamos oferecendo que é diferenciado. Como podemos conquistar a lealdade do consumidor? Na Nestlé, temos buscado surpreender no serviço, com as inovações e com nossa equipe.

Novas ideias da Nestlé

Marcelo mostrou que a Nestlé está buscando novos momentos de consumo para as categorias: “56% da ocasião de bebidas está entre o lanche e o café. Só que este momento para o café representa 19% das opções e para refrigerantes já são 27%. Para desenvolvermos mais mercado para café, buscamos novos momentos e novas categorias. Que tal tomar um cafezinho no lanche da tarde?

Pensando nisto, a Nestlé lançou o café em grão, e desenvolvemos um quiosque dentro das lojas: “Oferecer uma máquina em que o consumidor só precisa apertar um botão para extrair uma bebida. Rapidamente, acelerando o consumo com alto serviço. Mas é preciso pensar num ambiente, mostrar o grão  e ter o perfume do café” explica Marcelo.

A Nestlé investiu num food truck para vender seus produtos: “Nosso foodtruck é uma experiência. Com um cardápio desenvolvido pelos chefs da Nestlé, nós vamos para as grandes empresas. É muito comum pedirem para ficarmos mais. Estamos atendendo para momentos de alto fluxo, com carrinhos puxados por bicicletas, oferecendo salgados feitos com produtos Nestlé e nossas bebidas.”

Food truck Neslté trabalha em grandes empresas oferecendo lanches e bebidas

Food truck Nestlé – http://coffeeandfoodtruck.com/

Uso das marcas Nestlé

Um outro projeto é o uso de marcas Nestlé no desenvolvimento de produtos com os operadores. “Nós estamos trabalhando nossas marcas poderosas com ofertas e experiências mágicas de produtos que fazem diferença. Criamos o Mousse Creme Negresco com a Mr Bey, uma oferta de sobremesa de qualidade com a força da marca Negresco. E lançamos também um croissant Kit Kat. Desenvolvemos um finger de Kit Kat para que os parceiros possam assar o produto na hora.”

O Mousse Negresco desenvolvido pela Mr.Bey para a Nestlé

Para desenvolver estes produtos, a Nestlé tem usado parceiros para entregar o produto pronto: “Entregamos a solução pronta, produzida por um terceiro. Hoje já temos 5 parceiros que produzem produtos congelados com nossas receitas. Estamos vendendo nossos produtos e aumentando o tíquete médio nas lojas.

 

 

Por Redação

Fotos: divulgação e facebook das empresas

 

Uma ideia sobre “Grab and Going: como inovar com soluções de conveniência”

Deixe uma resposta

Márcio Silva: “No Buzina nós fazemos o que a gente gosta, cozinhamos o que a gente come”

Publicidade
Publicidade
© 2017 Infood - Todos os direitos reservados