Nos últimos anos, a gastronomia ganhou mais expressão com os programas de televisão, e podemos dizer que a gastronomia está na moda no Brasil. O sonho de ser chef de cozinha passou a povoar a cabeça de muitos jovens, e não o de serem cozinheiros, movimentando o mercado educacional em nosso país.

Todo o fenômeno de moda é caracterizado por uma grande expansão de interesse, e isto nem sempre permite que se venda o produto da melhor forma. Para o bem no negócio da gastronomia, é fundamental que este movimento seja aproveitado pelas empresas e empresários do ramo. Temos como manter essa curva de interesse em expansão e, se isto for feito, teremos um mercado crescente nos próximos anos. O nosso papel passa a ser de levar informação para esses novos interessados na carreira.

Nos programas de televisão, e até mesmo na cobertura dada por jornais e revistas, observamos uma forte concentração das matérias na figura do chef de cozinha. Com isso, temos perdido a essência do real trabalho das cozinhas. O pior é que essa polarização na principal função compromete o entendimento de carreira dos novos profissionais que se formam nos cursos e que começam a buscar seu lugar no mercado.

Nós, na INFOOD, entendemos que falta orientação em todos os sentidos, mas já estamos conseguindo ver uma nova geração de profissionais que avança para o correto entendimento da carreira.  Os cursos começam a amadurecer, pois vivemos um novo mercado dentro da educação, isto é fato. Um bom exemplo é a publicação ‘Profissões e Vestibular do Guia do Estudante da Editora Abril 2016’. Ele é o principal guia de carreiras e profissões do país, mas, infelizmente, falha quando orienta os jovens sobre a carreira de gastronomia.

Na página 93 da edição deste ano, temos um box destacando ‘o que você pode fazer’. A ideia aqui é mostrar ao jovem onde ele pode atuar depois de concluir um curso de gastronomia. Para nossa surpresa, o guia apresenta 7 opções, e em nenhuma delas oferece a principal atividade que este jovem pode buscar. O guia fala de: chef de cozinha, chef pâtissier, personal chef, consultoria, segurança alimentar, desenvolvimento de produtos e gestão de negócio. Não vemos a palavra ‘cozinheiro’ em nenhum momento do texto.

profissoes_vestibular_guia_do_estudantePágina 93 do guia Profissões e Vestibular

É como se, quando o guia apresentasse a carreira de administração de empresas, do mesmo modo quando fosse explicar aos jovens o que você pode fazer, o guia informasse uma atuação como CEO, como diretor geral ou como dono do negócio. No mínimo, a recomendação do guia reforça o entendimento de que temos algo muito errado na orientação da formação dos jovens que buscam essa carreira.

É um grande erro não reconhecer que formamos jovens para atuarem como cozinheiros, e entendemos que isto precisa ser combatido com veemência para formarmos melhores profissionais no mercado. Pensando nisso, adotamos o padrão de nos referir a todo e qualquer profissional como cozinheiro.

Os cozinheiros do MEATS

Um exemplo disso é que, no Prêmio Infood de Gastronomia que lançamos nessa semana, não teremos nenhum prêmio para o o chef do ano, ou para o chef revelação. Teremos, sim, o cozinheiro revelação e  o melhor cozinheiro.

Alteramos a busca por matérias no nosso site: antes continha o botão entrevistas com chefs e passamos a chamar de entrevistas com cozinheiros. Isso pode até nos atrapalhar na busca de matérias pelos nossos leitores, mas entendemos que assim estaremos prestando um serviço para o mercado. Só vemos anúncios de contratação de cozinheiros, algumas casas até contratam chefs de cozinha, mas isto é muito raro e não requer uma seleção tradicional.

equipe_piuOs cozinheiros e a equipe do restaurante Più

Esperamos que você, chef de cozinha, nos entenda, pois tomamos a decisão percebendo que muitos de vocês estavam tomando um grande cuidado quando falavam de vocês próprios, sempre se apresentando como cozinheiros. Não queremos, com nossa decisão, desmerecer alguém no mercado. Pelo contrário, queremos engrandecer a carreira do cozinheiro.

Em nossa história, uma foto que sempre fez parte de nossas matérias foi a foto da equipe reunida, algo que gostamos muito e sempre procuramos realizar. A ideia da foto é mostrar sempre como existe um grande grupo de pessoas por trás do trabalho nos restaurantes. São esses profissionais reunidos que dão duro para produzir algo entre o perfeito e o divino.

equipe_saint_marieOs cozinheiros e a equipe do restaurante Sainte Marie

Quando não tivermos opção e for preciso se referir a figura do chef em nosso site, você saberá que estaremos falando da função de chefe da cozinha, o profissional que comanda a brigada e dá a orientação do trabalho, mas não espere muitos textos com esta palavra aqui. Cada vez mais queremos defender a figura do cozinheiro e demonstrar os novos talentos dentro de nossas cozinhas.

 

Texto:  Reginaldo Andrade

 

2 ideias sobre “Menos chefs e mais cozinheiros”

  1. Carolina Garofani disse:

    Sensacional.
    Quando me perguntam “ah você é chef?” eu falo “Não, sou confeiteira. Sou chef dentro do meu laboratório, onde tenho uma equipe que trabalha comigo, sob minha orientação” e nunca vou deixar de martelar isso.
    Passo por chata? Sempre. Mas cara, chega de estudante de escolinha gourmet dizendo que é “chef formado”. Chega!

  2. José Gustavo disse:

    Uma coisa que aprendi na faculdade é que a palavra Chef de cozinha, é
    uma palavra pesada que conquistamos ao longo do tempo.
    Hoje prefiro ser chamado de Bom Cozinheiro.

    Gustavo Moura

Deixe uma resposta

Desmistificando a cadeia fria na gestão da qualidade dos alimentos

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados