Mídia Social e gastronomia

midias_sociaisDurante o mês de novembro a Infood vai publicar um especial com uma série de matérias sobre mídia social e gastronomia.

Vamos abordar  o impacto do uso destas ferramentas em restaurantes e negócios na gastronomia. Todas as semanas teremos especialistas e cases que demonstram como é possível ampliar a venda no seu negócio com estas ferramentas. Acompanhe em nosso site, mas não deixe de ler também os materiais que publicamos no ano passado que estão disponibilizados nesta página.

Acompanhas as matérias:

Como alavancar as vendas de vinho em tempos de mídias sociais

como-alavancar-as-vendas-de-vinho-em-tempos-de-midias-sociaisConfesso que achava as mídias sociais uma grande bobagem até o dia que fechei negócios pelo facebook e, desde então, mudei, de vez, minha opinião sobre elas. É certo que as mídias sociais deram nova voz ao consumidor final, além de uma capilaridade a nível mundial. Não há como negar isso! As empresas devem ficar atentas e marcar sua presença online nos diversos canais onde se encontram seus clientes para que possam atuar de forma dinâmica e interativa.

 

Leia mais: http://infood.com.br/como-alavancar-as-vendas-de-vinho-em-tempos-de-midias-sociais/

 

Arquivo de matérias especial lançado em 2015

 

No ano de 2004, com o lançamento do Orkut e do Facebook, o conceito das mídias sociais tomou forma. No entanto, ele sempre esteve presente na internet. Os fóruns e os e-mails foram os precursores desse fenômeno, mas foi a partir do desenvolvimento de blogs e da expansão do Facebook que os consumidores passaram a produzir e compartilhar conteúdos.

As mídias sociais são importantes ferramentas de comunicação para as empresas, e o ramo da gastronomia não pode ficar de fora desse processo. Quando a INFOOD entrevistou Claudio Baran, um dos sócios da KRP Assessoria, ele falou um pouco da importância do trabalho do restaurante para conquistar espaço nos meios de comunicação. Sua resposta apresentava três tipos de mídia: a mídia conquistada (através de assessoria), a mídia paga e a mídia própria. A mídia conquistada se refere a toda a cobertura que um restaurante consegue nos veículos de comunicação – em boa parte trabalho de suas assessorias de imprensa. A mídia paga é o que chamamos de propaganda e a mídia própria é a que o dono de restaurante tem maior controle, pois estamos falando de seu site, de sua página no Facebook e de toda interação nas redes sociais.

A importância crescente dessas ferramentas para a comunicação do seu empreendimento e para conquista de novos consumidores nos levaram a preparar um especial de quatro semanas sobre o tema: Mídia Social e a Gastronomia. A partir desta publicação – e sempre às quintas-feiras – você vai ouvir especialistas, donos de restaurantes, donos de food trucks, assessores de imprensa e publicitários.

Nosso objetivo é orientar e identificar as boas práticas que devem ajudá-lo na divulgação do seu negócio. Em nossa pesquisa, ficou claro que a grande maioria dos restaurantes não estão usando as mídias sociais na comunicação de seus empreendimentos. Ao mesmo tempo,  as casas que vêm desenvolvendo um diálogo com seus consumidores através destas ferramentas já estão colhendo bons frutos com essa experiência.

Afinal de contas, o que é a mídia social?

Segundo a Wikipédia, o que chamamos de mídias sociais são, na verdade, ferramentas projetadas para possibilitar a interação social a partir do compartilhamento e da criação colaborativa de informação nos mais diversos formatos. Elas possibilitaram a publicação de conteúdos por qualquer pessoa, baixando a praticamente zero o custo de produção e distribuição.

A mídia social democratizou o acesso à comunicação, algo antes restrito aos grupos de comunicação. Hoje, um comensal fotografa um prato em seu restaurante e rapidamente envia para a sua página no Facebook, no Instagram. Além disso, um indivíduo pode simplesmente usar o Twitter para reclamar da longa espera pelo serviço. Em alguns casos, isso pode impactar somente um pequeno grupo de pessoas. Porém, algumas insatisfações podem chegar a grandes grupos – gerando um cuidado extra para quem administra a comunicação de um restaurante.

Uma grande vantagem para o uso dessas ferramentas é que seu custo é relativamente baixo, mas engana-se quem pensa que ele chega a zero, como propõe a definição acima. As melhores práticas recomendam que fotos sejam produzidas e que imagens sejam desenvolvidas para as postagens de promoções. O maior investimento é, na verdade, o tempo dedicado à promoção e o relacionamento com essas ferramentas.

Quais são essas ferramentas?

Por mais conhecidas que sejam, vale a pena falar sobre cada uma delas, para destacar suas aplicações e, principalmente, o tamanho de sua penetração entre a população brasileira.

FACEBOOK : É a principal rede social do mundo. Alcançou, no últimos mês de janeiro, a marca de 1,39 bilhão de usuários, o que nos permite dizer que um em cada seis habitantes da terra é usuário da rede social. Originalmente planejada para abrigar apenas páginas de pessoas, desde seu início foi utilizada pelas principais marcas que aproveitaram a ferramenta para gerar uma maior proximidade com seus fãs. O Facebook usa um algoritimo que determina para quem sua postagem deve ser direcionada. Ele combina critérios de afinidade de sua página com o seu público, com um ranking da interação do usuário com suas postagens e a idade da postagem. Portanto, se você quer manter uma comunicação constante com os fãs da sua páginas, deve postar regularmente e ficar atento à interação dos seus consumidores.

WHATSAPP: Esta rede social já atinge 700 milhões de pessoas no mundo, e no Brasil já chegou a 38 milhões de usuários (fevereiro/2014). É um aplicativo para smartphones que permite que seus usuários se comuniquem com seus contatos que também tenham esse software sem precisar usar o telefone ou enviar sms. A utilização desses softwares é gratuíta para os telefones com pacotes com acesso à Internet ou a um plano que inclua o uso de mensagens instantâneas. Sua aplicação comercial ainda é pequena, uma vez que o aplicativo não aceita mensagens publicitárias. Já é possível dedicar uma linha para seu restaurante e criar um grupo com os clientes da casa para manter uma comunicação sobre ofertas, promoções e horários de funcionamento.  A rede foi comprada pelo Facebook.

GOOGLE + (GOOGLE PLUS): Com 540 milhões de usuários no mundo, é uma rede social mantida pelo Google, construída para agregar serviços do Google, como Google Contas, Fotos, PlayStore, Youtube e GMail. Não conseguimos identificar o número de usuários ativos no Brasil, mas segue em parte a mesma experiência do Facebook, com algumas diferentes ferramentas.

INSTAGRAM: Com 300 milhões de usuários no mundo, é uma das redes sociais de compartilhamento de fotos e vídeos. O aplicativo – disponível para Android, iOS e Windows Phone – é gratuito e fácil de usar. É um dos grandes responsáveis pela difusão do hábito de fotografar os pratos nos restaurantes. Também não conseguimos identificar o número de usuários no Brasil. Essa ferramenta também pertence ao Facebook.

TWITTER: Com 284 milhões de usuários no mundo (fevereiro/2014) é uma rede social e um servidor para microblogging que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos em textos de até 140 caracteres, conhecidos como “tweets”, por meio do website do serviço, por SMS e por softwares específicos de gerenciamento.

TUMBLR: Com 420 milhões de usuários no mundo, a rede é menos conhecida, mas muito utilizada por jovens. Ela permite aos usuários publicarem textos, imagens, vídeos, links, citações, áudio e diálogos. Não chega a ser um microblog, ficando numa categoria intermediária entre os blogs de formato convencional. Não conseguimos encontrar dados do número de usuários no Brasil.

Um restaurante deve atuar nas mídias sociais?

Essa é uma daquelas perguntas difíceis de serem respondidas. O fato é que, pesquisando no Facebook, podemos notar que diversos restaurantes não contam com páginas na rede social. Mas isso não quer dizer que não estejam presentes nesta rede. Em especial no Facebook, foram criadas páginas não oficiais sobre esses restaurantes que contém informações da casa, comentários e postagens de consumidores. Neste caso, o risco maior parece não ser o de não participar da rede, mas sim de ter uma atuação não controlada.

Os restaurantes da alta gastronomia já consolidados não precisam dessas ferramentas para conquistar novos consumidores e gerar tráfego, mas podemos ver com a experiência de alguns empreendedores que entrevistamos, que novas casas e os restaurantes menos conhecidos podem e devem fazer uso dessas ferramentas para divulgar cardápios, promoções e novidades.

Também é importante deixar claro que muito mais do que gerar divulgação, as mídias sociais são um canal de comunicação, uma oportunidade de interação direta. Essa proximidade com consumidores gera a necessidade do diálogo e da interação, ampliando assim o conhecimento de seu cliente e de suas reações. Antes de se irritar com uma postagem negativa sobre sua casa, lembre-se que isso sempre aconteceu. No passado, infelizmente, você não ficava sabendo e perdia um consumidor. Agora você pode entrar em contato e tentar resolver a questão. Talvez você seja do tipo que prefira não ficar sabendo, mas devemos alertar que as mídias sociais estão mudando a forma como o mundo se comunica e, se você quiser o contato com seus consumidores, não pode ficar de fora.

 

Acompanhe as matérias:

 

paulo_yoller_1Paulo Yoller: “O Meats não seria nada sem as mídias sociais”.

Paulo Yoller é chef de cozinha e proprietário do Meats – responsável por produzir um dos melhores hambúrgueres da cidade de São Paulo. O dono da hamburgueria conversou com a INFOOD sobre a importância do uso das redes sociais para qualquer negócio gastronômico: “É quase impossível um restaurante se manter sem isso. Em um restaurante novo, na minha opinião, é impossível”.

Leia mais: http://infood.com.br/paulo-yoller-o-meats-nao-seria-nada-sem-as-midias-sociais/

Claudio Baran - infood - Lays Riello-5 (1280x853) “O crítico é o melhor amigo do dono do restaurante”

Buscando novas opiniões relacionadas ao tema do nosso especial “Mídia Social e Gastronomia”, a INFOOD foi até o escritória da KRP para conversar com Baran a respeito da sua experiência na área de assessoria e da atual missão do seu empreendimento. O sócio explicou como o trabalho de uma assessoria de imprensa pode ajudar um restaurante e também apontou alguns erros graves cometidos por donos de restaurante e admitiu: “O dono de restaurante ainda não aprendeu a utilizar redes sociais de uma maneira que traz retorno para dentro do salão.”

Leia mais: http://infood.com.br/o-critico-e-o-melhor-amigo-do-dono-do-restaurante/

Lierson

“Todo cliente é um formador de opinião”                                                  Fomos conversar com Lierson Mattenhauer um dos sócios da agência de marketing digital, Add-On Media, especializada em assessoria on-line e social media de diversos restaurantes renomados de SP.  É deles também o site Hamburgeiros.com, que reúne o universo do hambúrguer  e um guia de hamburguerias em São Paulo, Rio de Janeiro e nos Estados Unidos.

Leia mais: http://infood.com.br/lierson-mattenhauer-todo-cliente-e-um-formador-de-opiniao/

_DSC1156

Como promover um evento gastronômico através da internet?

O The Lumberjacks Hungry Foodies Co praticamente começou com uma página na internet. No mês de julho de 2014, com 858 pessoas curtindo sua página, os Lumberjacks tiveram uma base para desenvolver seus festivais – a forma diferenciada que seus sócios criaram para começar a operação: “A ideia é, enquanto a gente não consegue um lugar fixo ou não tem uma confirmação de uma possível ida para um food truck, continuar com o formato dos eventos, e através deles montar uma cozinha”, afirma Rafael Fragoso, um dos sócios do Lumberjacks.

Leia mais: http://infood.com.br/como-promover-um-evento-gastronomico-atraves-da-internet/

1_714 dicas de como utilizar redes sociais com o Buzina Food Truck
Com mais de 30 mil seguidores no Instagram e mais de 50 mil curtidas em sua página no Facebook, o Buzina Food Truck é um dos empreendimentos gastronômicos que aposta nas redes sociais para atrair público.

Leia mais: http://infood.com.br/4-dicas-de-como-utilizar-redes-sociais-com-o-buzina-food-truck/

MIDIA_SOCIAL_RESTAURANTES

Usando mídias sociais no plano de mídia do seu restaurante

Conversamos com Claudia Daltro, Head de Mídia de uma das agências do Grupo ABC, uma das profissionais responsáveis pela escolha dos meios e veículos nos planos da agência. Ele nos fala da importância das mídias sociais, mas também defende o cuidado com os meios tradicionais: “A presença online é fundamental, mas todos os pontos de contato precisam estar bem fortes”.

Leia mais: http://infood.com.br/usando-midias-sociais-no-plano-de-midia-do-seu-restaurante/

Redação

Buzina se prepara para ter ponto fixo

Publicidade

Publicidade
-->
-->

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados