Não escondo de ninguém minha admiração pela Alvarinho, um respeitado vinho branco produzido no norte de Portugal e na Galícia (Espanha). Capaz de harmonizar perfeitamente com o que o mar nos oferece de melhor, passei a observar com muita atenção o que outros países fazem com essa uva. Já tomei alvarinhos muito bons no Uruguai, e alguns raros vinhos produzidos a partir dela no Brasil e nos Estados Unidos. Faltava, no entanto, visitar a terra que tem tradição nessa casta.

Foi principalmente por isso que peguei um avião no dia 23 de dezembro e fui direto para o Porto. Depois de alguns dias por lá, um trem me levou para Vigo. Cidade linda, que ofereceu muito mais do que eu imaginava. Uma noite foi pouco, mas era o planejado. De lá aluguei um carro e voltei para Portugal. Para o Minho, mais especificamente para Monção, onde está localizada a Quinta da Teimosa. A propriedade fica fora da cidade, mas todo o caminho é pavimentado e seguro. Chegamos ao portão, tocamos a campainha, buzinamos, batemos palma e nada de nos atenderem. Li na reserva que prometi aportar entre cinco e seis horas da tarde, ainda eram quatro. Foi o convite para uma rápida chegada a um supermercado. A compra de guloseimas levou ao cálculo de que valeria a pena jantar no quarto.

Quinta da Teimosa Monção – Portugal

Na volta, com o céu já escuro, nem encostei a campainha e o portão se abriu. Rosário, funcionária da casa, nos atendeu com sorriso largo e simpatia absoluta. Em seguida veio Pedro, o proprietário. Baita dupla. Quando subimos para conhecer os aposentos, notamos que se tratava de um belíssimo apartamento. Ao todo são apenas três, e tenho certeza que nos deram o melhor. Sala, banheiro, quarto e cozinha, tudo bem equipado, espaçoso e confortável. Decoração simples e muito agradável. Taças, fogão, pequena geladeira, utensílios, tudo convergia para altas aventuras gastronômicas. Pedro nos deixou, eu e minha esposa, à vontade. Mas disse que nos esperava para falar sobre o seu vinho.

Descemos, e logo engatamos uma deliciosa conversa. O cozinheiro que viria preparar o jantar do final do ano desistira da empreitada, e quando soube que a Karyna é chefe de cozinha, logo avançaram sobre o menu. Papo agradável, que ficou ainda melhor quando ele abriu a garrafa de seu filho único: o Milacrus. Um alvarinho delicioso, com passagem discreta por barricas usadas de carvalho – presente de Anselmo Mendes, amigo de Pedro e um mago da uva.

O Alvarinho Milacrus

A produção é pequena, apenas três mil garrafas vindas de vinhedos próprios que rodeiam a propriedade. Pedro diz que o vinho está na família e recorda-se com carinho do trabalho do avô para o abastecimento doméstico. Disse que a bebida produzida atende seu gosto pessoal, seu interesse por chegar a algo que lhe agrade. Depois de alguns goles, percebo que ele não está sozinho em seus sentimentos: seu Milacrus agrada a qualquer pessoa capaz de notar o que é um belo alvarinho. A conversa flui, e investimos quase que sobre toda a garrafa. O ponto alto se concentra no equipamento manual que seu marceneiro fez para etiquetar suas garrafas. Um espetáculo que os filhos o ajudam a controlar enquanto nos dá atenção. A realidade do hotel se mistura à lógica familiar e nos coloca ainda mais à vontade.

No dia seguinte, depois de uma noite de silêncio e paz absolutos, acordamos cedo com um sol tímido entremeado pela chuva que nos revelaram pela janela uma linda paisagem. Alvarinhos e mais alvarinhos, os mais belos vinhedos na janela da sala, o que para mim é um verdadeiro milacrus.

 

Quinta da Teimosa

https://www.facebook.com/quintadateimosa/

 

Texto: Humberto Dantas
Humberto Dantas, doutor em ciência política, analista político, professor universitário e apaixonado pelo universo dos vinhos – muito mais amor do que técnica, sabedoria e conhecimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O balanço dos números da Educação Superior em Gastronomia no Brasil

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2018 Infood - Todos os direitos reservados