Com uma operação enxuta e simplificada, o fast casual promete fazer barulho nas grandes cidades, sendo uma opção para quem não quer mais depender das redes de fast food, porém, gosta de comida rápida.

Uma pequena e bem treinada equipe de cozinha e atendimento faz o negócio funcionar como um bom relógio, ficando com uma boa média de tempo entre pedido e entrega, sem decepcionar o cliente com a apresentação. e ainda há a possibilidade de personalizar o pedido.

Fast casual é um gênero de restaurante que não oferece serviço de mesa. Porém, promete uma melhor qualidade de comida e uma atmosfera diferente em contraposição aos restaurantes de fast food.

Nos Estados Unidos, o conceito é relativamente novo e crescente, sendo posicionado entre o fast food e a refeição casual. O custo médio de refeição é variável entre 8 a 15 dólares.

No Brasil, já existem alguns desses restaurantes que, além de dar uma pincelada gourmet no “fast”, transformam o “food” em um momento diferenciado para o cliente. É uma boa opção de negócio para quem está começando no universo gastronômico.

chipotle_1Um dos maiores representantes do estilo é a rede  Chipotle Mexican Grill

Principais diferenças entre os conceitos

No fast food o cliente vai ao caixa, escolhe, faz seu pedido e retira a refeição no balcão ao lado. Vai até uma mesa, se senta e consome o que pediu e pagou em um ambiente padronizado, muitas vezes sem graça e que deixa, para algumas pessoas, a vontade de comer e sair correndo, afinal, conforto e ambiente agradável não são o forte do modelo.

No fast casual, a coisa muda, e muito. O sistema de pedido e entrega dos alimentos é, em alguns casos igual, mas, a essência é completamente diferente: a cozinha é aberta e o cliente vê seu pedido sendo preparado.

Os ingredientes, algumas vezes até orgânicos, são de alta qualidade e o cuidado com o preparo é diferenciado. Conforto e ambiente agradável é a palavra final para definir um restaurante fast casual.

Alguns já aliaram e se diferenciam por incluir o uso de tecnologia com app’s, os aplicativos para celular que ficam disponíveis para uso imediatamente.

Assim que se passa pela porta de entrada, o cliente pode acessar o app de seu celular, ler o cardápio, escolher e fazer o pedido e, em alguns casos, até pagar. O mais interessante é que na maioria das casas, é possível personalizar seu prato, incluindo ou retirando ingredientes.

As diferenças da operação

A apresentação dos pratos é outro ponto que diferencia a operação. Apesar do uso de embalagens descartáveis, o alimento não vem todo desmilinguido como nas redes de fast food.

Um sanduíche, por exemplo, estará devidamente acondicionado com uma aparência de foto para publicidade e seu conteúdo estará na temperatura certa, afinal, o preparo é feito na hora.

Não há serviço de mesa, o que diminui muito o custo da operação, mas o cliente não sente falta, já que terá à disposição outros serviços virtuais para suprir o gap.

Com o ambiente decorado com o esmero encontrado em restaurantes tradicionais e razoável conforto, o cliente se sente acolhido e estimulado a ficar e consumir mais.

Assim como no casual dining, muitas das opções do cardápio podem ser confeccionadas para atender mais de uma pessoa, com porções mais generosas que ficam à disposição do público na personalização dos pratos.

 

 

 

Texto: Marcelo Santos
*Marcelo Santos atuou chef de cozinha, professor de gastronomia, consultor de alimentos e bebidas e escritor 

 

 

 

Uma ideia sobre “Por que o Fast Casual é a nova tendência das grandes cidades?”

Deixe uma resposta

Semana 29# Os ensinamentos do sucesso da hamburgueria Pão com Carne

Publicidade

Publicidade
-->
-->

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados