Os vinhos da Toscana conquistaram projeção internacional, sendo a área vinícola que mais cresce na Itália. Uma experiência mágica para quem aprecia vinhos e quer conhecer esta região. Ao pisar em solo toscano, você é levado involuntariamente a uma viagem ao passado, e pode escolher por qual caminho desejaria trilhar. Essa viagem ao passado pode ser através da história da região, de paisagem única, recheada de ciprestes ao longo das estradas, da arquitetura, da gastronomia e, é claro, de  seus maravilhosos vinhos. É uma região de múltiplas riquezas!

Recomendo a rota dos vinhos extremamente apaixonante, na qual tive muitas descobertas, como o Rosso di Montepulciano, o Vino Nobile di Montepulciano, o Brunello di Montalcinoeo Vin Santo – que somadas com as outras opções, tornarão sua experiência única! Harmonizar um vinho toscano com uma bisteca a la Fiorentina em uma típica osteria me fez viajar a uma parte da história da humanidade, num lugar repleto de sabores, aromas e texturas. Dica inesquecível do casal de amigos Lilian e Gionata, proprietários da vinícola Gattavecchiem Montepulciano (http://www.gattavecchit.it).

vinicola_gattavecchierm_montepulciano

Sem dúvida nenhuma, a Toscana é um território de vocação secular para o turismo e para a enogastronomia, onde a vinha e a oliveira adquiriram, através dos anos, uma expressão digamos artística.

A sangiovese é a uva mais cultivada na Itália. Produz vinhos tintos de médio corpo a bem encorpados, de acidez vivaz e apresentando na boca sabores de cereja, ameixa e ervas secas. Os vinhos harmonizam-se belamente com a culinária local, rica em molhos de pomodoro. É na Toscana que a sangiovese e seus vários clones, como a brunello (em Montalcino) e a prugnolo gentile(em Montepulciano) expressam todo o terroir da região com altitudes entre 100 a 500m, solo com variações entre a mescla de argila com pedras e minerais; além de um clima marcado por verões bem quentes e secos e outonos imprevisíveis com risco de chuvas durante a vindima.

Uma boa opção de  hospedagem é o resort e spa Poggio alla Sala (www.resortpoggioallasala.com) rodeado por vinhas de prugnolo gentileem Montepulciano, cidade sobre as colinas a sudeste de Siena que faz vinhos DOCG (Denominazione di Origine Controllatae Garantita),em especial tintos com taninos sólidos e aroma terroso. Em geral, os vinhos de Montepulciano têm imagem mais tradicional que os Chiantise menos elitista que os de Montalcino, sendo uma boa fonte de vinhos cálidos, de bom custo/benefício e de caráter bem toscano.

O fenômeno dos vinhos chamados como Supertoscanos teve início nos anos 80, quando produtores frustrados com as regras do atual sistema de DOC(G) procuraram cepas alternativas, principalmente as francesas como a Cabernet Sauvignon e a Merlot,para criar uma nova linha de vinhos de altíssimo nível fora do sistemaDOC(G). Os vinhos foram rotulados como IGT (Indicazione Geográfica Típica) ou VdT (Vino diTavola), denominações criadas para vinhos baratos e mais simples. O mais curioso é que se tornaram a nata da produção regional, fenômeno este,no mínimo, paradoxal diante dos critérios da DOCG!Esse fato corroborou para que muitas DOC(G) tradicionais fossem modificadas e outras criadas para dar aos vinicultores maior liberdade na escolha das cepas.

VINHO_TOSCANA_ITALIA

Outra doce lembrança da viagem à Toscana é o vin santo, o reverenciado vinho de sobremesa da região. Vinificado com uvas passificadas prensadas na primavera seguinte a safra. É fermentado e envelhecido em pequenos barris de madeira com a preciosa levedura (ou madre) remanescente do lote anterior. Vinho artesanal, feito em pequenas quantidades do original corte das uvas brancas Trebbiano e Malvasia. Na gastronomia regional, a sobremesa é o cantucci (biscoito de amêndoas) mergulhado no vin santo! Todo enófilo que visitar a Toscana deve experimentar esse doce ritual e descobrir todas as sensações por ele despertadas.

A maior exposição de vinhos da Toscana é a Corte Del Vino, que ocorre no terceiro fim de semana de maio em San Casciano. Cem dos melhores vinicultores da região oferecem seus vinhos e há aulas de degustação ministradas por grandes nomes do ramo enológico. Uma enoteca vende os vinhos expostos. Vale a pena conferir!

Até a próxima e saúde!


texto - Rafael Puyau
*Rafael Puyau (contato@rafaelpuyau.com.br) consultor-Sommelier com formação em enologia pelo Centre de Formation Professionnelle et Promotion d’Aude (CFPPA) em Narbonne, Sul da França é formado em sommelier pelo Instituto de Vinhos da Argentina. Certificado nível 3 pela Wine and School Education Trust (WSET), escola de vinhos de Londres e consultor empresarial pela Faculdade Arthur de Sá Earp (FASE) em Petrópolis. 
Instagram rpuyau
Site – www.rafaelpuyau.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O balanço dos números da Educação Superior em Gastronomia no Brasil

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2018 Infood - Todos os direitos reservados