O novo restaurante em Astor Place, em Nova York, da rede Shake Shack não aceita dinheiro. É a primeira loja da rede a trabalhar com este modelo de serviço. A automação do processo de pagamento é um desafio para uma marca reconhecida por excelência na hospitalidade.

A empresa entende que muitos clientes ainda pagam em dinheiro, mas aposta que a remoção desta opção vai tornar a experiência gastronômica mais perfeita. A rede não é a primeira a criar uma loja sem o pagamento em dinheiro. A Sweetgreen vem fazendo isto em toda a sua rede durante este ano.

A novidade na nova loja da Shake Shack é o fim do uso de atendentes para a realização do pedido e pagamento. Agora o consumidor faz todo o processo em tablets ou através do aplicativo mobile da rede.

Terminal com tablet e equipamento para pagamento de cartão de crédito e débito

Projeto experimental

A loja de Astor Place é considerada uma loja experimental, um verdadeiro campo de testes para fortalecer operações e experimentar novas tecnologias digitais.

Para os clientes se familiarizarem com a nova solução, foram destacados funcionários para ajudar nesta tarefa. Esta é a principal recomendação para o uso destas tecnologias. A estrutura da loja é praticamente a mesma, com salão e área de espera.

Funcionário da rede orienta consumidor na montagem do seu pedido no tablet

A mudança é justificada pela necessidade de ampliação da operação em momentos de pico. Para dar suporte ao sistema, foi criada uma cozinha otimizada com maior capacidade de pedidos. O processo gera uma redução da equipe de atendimento, que pode ser direcionada para as outras operações da loja.

 

Lojas que não aceitam mais pagamento em dinheiro

A Shake Shack não é a única cadeia a encerrar a opção de pagamento em dinheiro em uma loja. Desde janeiro, a cadeia de saladas Sweetgreen vem fazendo isto.

As lojas da Sweetgreen não aceitam mais pagamento em dinheiro

A decisão baseou-se no fato de apenas 10% dos pagamentos nas lojas da rede serem feitos em dinheiro. A experiência começou nas lojas de Nova York, Califórnia, Illinois e Pensilvânia, mas foi estendida para as outras 64 lojas da rede.

Nos testes iniciais, em algumas lojas, a Sweeetgreen percebeu um aumento de 5 a 15% no volume de transações dos funcionários. Eficiência que acaba garantindo um volume maior de atendimentos num menor espaço de tempo.

Pagamento através de cartão de crédito, debito e aplicativos móveis

Passo a passo da operação na loja

  1. O cliente é direcionado para uma área com equipamentos (tablets) onde ele faz seu pedido digitando na tela do equipamento.
  2. Caso não tenha familiaridade com a operação, um funcionário está à disposição para esclarecer o passo a passo do uso do terminal.
  3. Ao final do pedido, ele pode optar por pagamento em cartão de crédito ou debito.
  4. Ele é direcionado para a área de espera do pedido.
  5. Assim que o pedido é finalizado, o consumidor recebe uma mensagem de texto em seu celular.

O editor do Bedford + Bowery e professor do Instituto de Jornalismo Arthur L. Carter de NYU, Daniel Maurer, testou a experiência e postou um vídeo do processo de navegação. O vídeo abaixo encerra antes que ele digite seus dados e use seu cartão de crédito.

Quais as vantagens por trás do uso da solução

  1. Acelerar o pedido: De fato, é possível ter uma melhora no tempo de atendimento dos pedidos, ampliando a capacidade de atendimento. Isto deve ser percebido com mais clareza nos períodos de pico.
  2. Maior liberdade na escolha: O cliente tem mais tranquilidade para customizar seu pedido, sem estar sujeito ao julgamento e sugestão do atendente.
  3. Aumento nas vendas: Dados de empresas que fornecem este tipo de equipamento apontam para um aumento nas vendas na ordem de 15% a 30%, dependendo do perfil das operações.
  4. Redução do risco de roubo: Não trabalhando com dinheiro em espécie, as lojas ficam menos sujeitas a tentativas de roubo.
  5. Redução de despesas: Menor necessidade de funcionários e eliminação da despesa com transporte de dinheiro no uso de carros fortes.
  6. Captura de dados: O sistema integra o pedido do cliente com seu cadastro e permite uma interação maior da loja com seus consumidores.

Alguns especialistas acreditam que a falta de contato humano pode comprometer a experiência da hospitalidade. E a Sweetgreen sofreu alguns questionamentos por exclusão de alguns grupos de consumidores que não têm acesso a cartões de crédito ou débito.

Estas tecnologias avançam no fast food, fasta casual e casual dining, mas entendemos que podem ter o mesmo sucesso com os restaurantes. De toda a eficiência gerada, no caso de pedidos mais complexos, a nova tecnologia elimina os erros nos pedidos.

No uso de restaurantes, os equipamentos são disponibilizados nas mesas, agilizando o processo dos pedidos por parte dos clientes.

A solução da Goomer com cardápio interativo

 

Nova loja Shake Shack

Shake Shack – Astor Place

51 Astor Place

New York, NY 10003

(646) 813-2189

Case da solução usada pela Shake Shack – https://fuzzproductions.com/work/shake-shack-kiosk

Novidades

Alberto Landgraf vai abrir Oteque em janeiro/2018

Alberto Landgraf revelou em postagem que seu novo restaurante, o Oteque, deve ser inaugurado em janeiro de 2018.

O restaurante já conta com uma página na internet, onde o consumidor poderá se cadastrar para receber informações sobre o projeto.

Site – http://www.oteque.com/

Primeiro aniversário do restaurante Lilu

A Veja São Paulo adiantou que a comemoração foi adiada para 25 de novembro, com comes e bebes servidos na varanda. Em pé, o público poderá abocanhar receitas do chef André Mifano.

A casa é uma das finalistas de restaurante revelação do Prêmio Infood de Gastronomia 2017

Para saber mais acesse site da revista: https://vejasp.abril.com.br/estabelecimento/lilu/

Food Bike ganha ponto fixo em Santa Cecília

Priscila Camazano escreveu para o Guia Folha de São Paulo, noticiando a inauguração em Santa Cecília da lanchonete Bike Burguer, criada pelo fotógrafo Danilo Tanaka. É uma extensão do projeto food bike, que começou na esquina da alameda Rio Claro com a avenida Paulista em 2014.

Bike Burguer

Rua Martins Francisco, 162 – Vila Buarque

site – http://www.bikeburguer.com.br/

facebook – https://www.facebook.com/bikeburguer/?rf=420359478121786

Para saber mais acesse o site do jornal: http://guia.folha.uol.com.br/guloseimas/2017/10/bike-burguer-ganha-ponto-fixo-em-santa-cecilia.shtml

Festival Popload reúne casas de São Paulo em feira gastronômica

O jornal O Estado de São Paulo noticiou que Helena Rizzo juntou uma turma de peso para comandar a feirinha gastronomica dentro do Popload, festival de música que ocorre no próximo dia 15 no Memorial da América Latina. Além das receitas criadas especialmente para a data pela chef do Maní, será possível provar o torresmo de pancetta com goiabada d’A Casa do Porco, cozinha da galinha caipira da Dona Onça, pizzas da Bráz Eletrica e hambúrguer do Z-Deli. Haverá pratos do chef Marcelo Correa Bastos, do Jiquitaia, como nhoque de banana com ragu de carne-seca todos com preços entre R$ 10 a R$ 25.

 

Notícias

Após receber aporte de Luciano Huck, hamburgueria Madero lança rede popular

Luciana Dyniewicz escreveu para o jornal O Estado de São Paulo  que a rede Madero, com 107 lojas no país e faturamento de R$ 700 milhões, lançará a nova marca Jeronimo, que oferecerá lanches por preço médio quase 45% mais barato que o de a rede original.

Após o apresentador Luciano Huck ter comprado participação minoritária na rede de hamburgueria Madero, a empresa lançará uma nova marca. Batizada de Jeronimo, a bandeira será  mais barata e começará com unidades em Curitiba, Brasília e Porto Alegre. O projeto prevê investimentos de cerca de R$ 60 milhões até o fim de 2018, quando 20 lojas deverão estar em operação.

Para continuar lendo, acesse o site do jornal: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,apos-receber-aporte-de-luciano-huck-hamburgueria-madero-lanca-rede-popular,70002063698

Papinha ganha opção gourmet e orgânica

Paula Felix escreveu para o jornal O Estado de São Paulo  sobre as lojas especializadas em alimentação infantil que oferecem até paleta de cordeiro num mercado em crescimento.

Paleta de cordeiro, aspargos, ragu com polenta, ingredientes orgânicos e selecionados. Pratos  que poderiam estar cardápios de restaurantes integram o menu de lojas especializadas em papinhas e comidinhas de crianças. Também conquistam cada vez mais pais que não sabem cozinhar ou não encontram tempo para preparar as refeições.

Para continuar lendo, acesse o site do jornal: http://saude.estadao.com.br/noticias/geral,papinha-ganha-opcao-gourmet-e-organica-tem-ate-paleta-de-cordeiro,70002068041

 

Reginaldo Andrade

randrade@infood.com.br

A coluna Restaurant Man traz as principais notícias da semana 44  (30/10 a 5/11 de 2017), um resumo do que foi noticiado nos principais jornais e revistas e do que foi apurado por nossa equipe

 

Deixe uma resposta

Restaurantes devem ter um vinho da casa?

Publicidade
Publicidade
© 2017 Infood - Todos os direitos reservados