No final do ano de 2013, o Buzina Food Truck começou a operar na cidade de São Paulo. E foi assim que o conceito do mercado de Food Truck foi introduzido em nossa cidade. O comércio de comida sobre rodas, mais especificamente em kombis e traillers, existe há muito tempo por aqui. Porém, com o uso de caminhões equipados, criou-se uma tendência que atraiu muitos empreendedores para esse segmento.

O setor deixou de ter o perfil de pequenos comerciantes, e empreendedores entraram atraídos pela novidade. Agora em dezembro completaMOS 4 anos do início do desenvolvimento recente deste mercado. E ainda não há uma regulamentação da lei que dê segurança para quem investiu para operar nas ruas da cidade de São Paulo.

A quem interessa a regulamentação

Há na cidade de São Paulo e por todo o Brasil um grupo de empreendedores que acreditaram no mercado. Eles investiram na adaptação de veículos e no desenvolvimento de seu negócios. E só conseguem trabalhar em espaços particulares, pois não conseguem a emissão das TPUs, termo de permissão de uso.

Não conseguimos precisar o tamanho deste mercado nos dias de hoje. Mas em 2016 o jornal Folha de São Paulo estimou em 1,2 mil food trucks espalhados pelo Brasil, sendo 500 deles em São Paulo.

Existe um grupo de profissionais que precisam da regulamentação para desenvolver sua operações e seguirem empreendendo. No momento crítico de nossa economia, cabe ao poder público encontrar um caminho para a regulamentação, dando segurança para estes profissionais.

Um ano de luta

Lideranças do setor em São Paulo passaram o ano lutando para conseguir uma resposta por parte da prefeitura. Houve iniciativas como o debate Comida de Rua, que contou com o apoio da vereadora Soninha Francine e que conseguiu reunir um bom grupo de donos de food trucks. Mas muito pouco foi feito depois disto.

Nesta  semana, as lideranças estão preparando um manifesto que deve ser entregue à prefeitura. São revindicações que buscam trazer segurança para as operações da categoria.

No debate no dia 5/9, o então chefe de gabinete da Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais, Alexandre Modonezi de Andrade, apresentou as ideias de criação de um aplicativo para regular a operação dos caminhões na cidade, e de ligar os serviços dos food trucks às praças da cidade.

Praça Horácio Sabino na região oeste da cidade de São Paulo

Um projeto de revitalização das praças

Quem mora em São Paulo sabe da dificuldade que é na conservação das praças. Um bom exemplo do que pode ser feito é o que observamos no bairro de Pinheiros com a revitalização da Praça Horácio Sabino. E isto só aconteceu pelo desejo das pessoas, dos frequentadores da praça, em transformar o local, resgatando o espaço público.

Projeto aprovado pela associação reorganizou o espaço público da praça

Foi assim com o surgimento da PRHOSA, Associação da Praça Horácio Sabino, que o espaço público foi reformado e ganhou a zeladoria dos próprios moradores.

Quando Modonezi apresentou a ideia de colocar os donos de food trucks para trabalharem na zeladoria das praças, não ficou claro se essa era uma ideia sua, ou se era um projeto da prefeitura. O fato é que a proposta criaria um ambiente favorável de desenvolvimento e cuidado para as praças, e delimitaria uma área para atuação do setor.

Desenvolvimento da ideia

Peço licença para desenvolver um rascunho de projeto a partir da ideia de Modonezi:

  1. A prefeitura pode determinar quais são as praças disponíveis para um período de concessão de 6 a 12 meses;
  2. A zeladoria pode envolver limpeza, conservação dos equipamentos  e trabalho de jardinagem;
  3. Os empresários do ramo se reuniriam em associações para disputar as concessões em troca da autorização para exploração dos espaços de food trucks criados nas praças.

O desenvolvimento da infra estrutura

Para dar suporte ao projeto, a prefeitura precisaria cuidar de três importantes demandas, pedidos antigos do setor de food truck:

  1. Demarcação das áreas de exploração dos food trucks: cada praça terá vagas claramente delimitadas, com a indicação da capacidade de operação de veículos, garantindo que não haja uma superlotação de caminhões;
  2. Oferecimento de serviço de luz e água: seja no formato obsevado pelos pontos de táxi com caixas de força, seja através de modernas tomadas para abastecimento de carros elétricos. A ideia é que os food trucks possam contar com estrutura de luz e água para poderem operar como mais qualidade.
  3. Desenvolvimento de banheiros: essa é uma grande dificuldade para as equipes que trabalham na rua. Em geral, os empregados e empreendedores não dispõem do apoio de banheiros em sua operação.  Uma boa alternativa seria a construção de banheiros que poderiam ser cuidados também pela associação.

Precisamos de vontade política

O setor não precisa de ajuda, mas apenas de uma regulamentação que dê segurança para suas operações. O setor promete continuar lutando e se organiza para uma série de protestos nas próximas semanas, com o intuito de chamar a atenção da população para a falta de solução do poder público.

Como fizemos questão de mostrar acima, ideias não faltam para regulamentar o setor. Falta vontade política para solucionar o problema. Infelizmente, estamos falando apenas do mercado de São Paulo, mas o problema é geral em todo o país. Espero que o setor continue unido e cobrando o poder público.

Novidades

Jantar reúne Komah e Peti

O jornal O Estado de São Paulo destacou o encontro de dois chefs da nova geração. O chef do contemporâneo Petí, Victor Dimitrow, convidou Paulo Shin, do coreano Komah, para um desafio nas palenas. Cada um vai ter que cozinhar com os ingredientes e se inspirar na cozinha do outro. O resultado do embate entre os jovens chefs poderá ser conferido em um jantar na próxima quinta-feira (7) no Petí. Serão servidos os pratos harmonizados com a cerveja Wäls.

Reservas – eventos@petirestaurante.com.br

Benzina, o novo bar na Vila Madalena

Dos hambúrgueres para os drinques: o grupo Bullguer expande sua atuação com a abertura do bar Benzina. Segue as mesmas premissas da lanchonete que tornou-se case de sucesso na cidade: preços acessíveis, serviço ágil, boas matérias-primas e ambiente despojado. Para comandar as coqueteleiras, os sócios trouxeram da Suíça o jovem e talentoso barman Gabriel Santana, destaque na última edição do concurso World Class.

Depois de resgatar a fórmula do bom e barato no ramo das hamburguerias – e de transformar o Bullguer em um case de sucesso, com oito unidades abertas em apenas dois anos e meio de operação -, os sócios do grupo, sempre atentos aos movimentos e brechas do mercado, inauguram o Benzina, bar criado nos moldes da rede. Localizando na Vila Madalena, o endereço despretensioso é focado no público jovem e promete dar novos ares ao bairro. No Benzina, a ordem é beber bem e gastar pouco.

Benzina

Endereço: R. Girassol, 396

Horário de funcionamento: Terça a sábado, das 18h às 02h

Telefone: 11 3031-2008 / 3034-1991

150 lugares

facebook – https://www.facebook.com/benzina.bar/

Varanda de Pinheiros

Patrícia Ferraz destacou no jornal O Estado de São Paulo a filial do Varanda em Pinheiros. Entre a Vila Madalena  e o Baixo Pinheiros, a nova casa tem o cardápio enxuto com quatro cortes clássicos do Varanda preparados na grelha (vacio, bife de chorizo, bife ancho e galeto dessossado) e um seção de hambúrgueres – em todas as opções que o cliente escolher entre a carne de black angus e kobe beef, ambos com 160g.

Varanda Grill Pinheiros

Rua Deputado Lacerda Franco, 526 Pinheiros

Tel – (11) 3031-9057

site – http://www.varandagrill.com.br/en

facebook – https://www.facebook.com/restaurantevarandagrill/

Para ler a matéria completa acesse: http://paladar.estadao.com.br/noticias/restaurante-e-bares,coma-as-carnes-do-varanda-agora-em-pinheiros,70002101735

Osteria Terra Madre em São Paulo

Marina Consiglio destacou no jornal Folha de São Paulo a primeira filial em São Paulo do curitibano Osteria Terra Madre.  O chef italiano Simone Brunelli veio da capital paranaense para comandar a cozinha da nova unidade, de luz baixa e clima aconchegante. O menu traz receitas como a polenta cremosa com parmesão e a rabada bovina e o nhoque de batatas servido com aspargos e camarões. Para finalizar, há pudim de pistache com caramelo.

 

Rua Prof. Tamandará Toledo, 51 – Itaim Bibi

(11) 3078-6442

Para ler a matéria completa acesse: http://guia.folha.uol.com.br/restaurantes/2017/11/restaurante-curitibano-osteria-terra-madre-inaugura-primeira-filial-em-sao-paulo.shtml

Notícias

Consumo de espumantes reage e anima vinícolas

O jornal Valor Econômico destacou que as vinícolas brasileiras apostam no último bimestre para interromper a trajetória de queda nas vendas de espumantes no mercado interno iniciada ainda em 2016. De janeiro a outubro, as entregas do setor recuaram 1,9% ante igual período do ano ano passado, para 11,2 milhões de litros, influenciadas pela crise econômica, pelo avanço dos importados e pela demora do varejo em fazer as encomendas para o fim do ano. Mas a expectativa é fechar 2017 pelo menos com o mesmo volume registrado no exercício anterior.

Para ler a matéria toda se cadastrando no site do jornal:

http://www.valor.com.br/empresas/5210787/consumo-de-espumantes-reage-e-anima-vinicolas

Consumo de café deve crescer 3,3% no país

O jornal Valor Econômico destacou o crescimento do consumo de café no Brasil.  Segundo matéria de Alda do Amaral Rocha, um estudo do Euromonitor encomendado pela Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC) estima que as vendas de café no país devem crescer 3,3% este ano, avanço semelhante ao de 2016. Segundo o trabalho, apresentado no 25º Encafé, em Mata de São João (BA), as vendas de café no varejo e no food service do país devem somar 1,070 milhão de toneladas, o equivalente a 22,291 milhões de sacas. Em 2016, as vendas totalizaram 1,036 milhão de toneladas.

Para ler a matéria toda se cadastrando no site do jornal:

http://www.valor.com.br/agro/5204651/consumo-de-cafe-deve-crescer-33-no-pais

 

 

Reginaldo Andrade

randrade@infood.com.br

A coluna Restaurant Man traz as principais notícias da semana 48  (27/11 a 03/12 de 2017), um resumo do que foi noticiado nos principais jornais e revistas e do que foi apurado por nossa equipe.

 

Deixe uma resposta

Chef Meia Noite, do Capim Santo: “Não escolhi a cozinha: ela que me chamou”

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados