Semana passada, a 15ª lista dos 50 melhores restaurantes do mundo foi divulgada numa cerimônia em Melbourne, na Austrália. A premiação é uma forte ferramenta de marketing, mas fazer parte da lista não é um trabalho fácil.

A lista  The World’s 50 Best Restaurants pertence a William Reed Business Media Ltd, grupo de mídia que publica a revista Restaurant, publicação voltada para o mercado de restaurantes no Reino Unido. A lista dos 50 melhores é independentemente e auditada pela consultoria Deloitte.

Como um restaurante passa a fazer parte da lista

A lista dos 50 Melhores Restaurantes é compilada a partir dos votos de um influente grupo de quase 1.000 líderes internacionais na comunidade de restaurantes. A Academia é composta de 27 regiões separadas ao redor do
mundo, cada uma com 36 membros, incluindo o presidente, e cada membro pode lançar sete votos.

Portanto, para seu restaurante fazer parte da lista, é necessário que seu chef aproxime-se dessa comunidade de líderes mundiais. Isto pode acontecer com  visitas ao exterior, ou através de convites para que profissionais venham conhecer seu restaurante no Brasil.

Isso significa tempo de trabalho fora da cozinha, algo que muitos profissionais do mercado não conseguem coordenar. É fato que a rotina num restaurante é desgastante, mas uma boa saída é participar dos eventos mundiais da premiação. Para o Brasil, vale observar o evento mundial e a lista dos 50 melhores da América Latina.

Alex Atala com Daniel Blumm (Eleven Madison Park) e René Redzepi (NOMA)

Vale a pena fazer parte da lista?

Esta é uma pergunta de difícil resposta, uma vez que temos poucos restaurantes brasileiros na lista, e são sempre casas já consagradas pelo público no Brasil.

A Infood não fez uma pesquisa científica, mas conversou com alguns chefs, restaurateurs e profissionais do mercado e todos reconheceram que a participação na lista amplia a busca pela casa e pode significar aumento nas reservas e no faturamento.

No final, a lista dos 50 melhores do mundo é uma grande divulgação do trabalho dessas casas e de seus profissionais. Vale dar uma olhada no site dos 50 melhores e verificar o cuidado com as informações das casas e dos seus proprietários.

Rafa Costa e Siva recebe no Lasai os chefs Ana Ros (Hisa Franco/Eslovênia),Rodolfo Guzman (Boragó/Chile) e Virgilio Martinez (Central/Perú)

O prêmio  reflete o mercado?

Entendemos que sim, e prova disso é que o Prêmio Infood de Gastronomia 2016 reconheceu o trabalho do Lasai como o melhor restaurante do ano. D.O.M., Lasai, Maní e Olympe são, sem dúvida, quatro dos melhores restaurantes do Brasil.

Podemos até pensar em outros nomes, mas é bom lembrar que já há 9 restaurantes na lista dos 50 melhores da América Latina, e todos têm condições de trabalhar para chegar na lista dos 100 melhores do mundo. Foi dessa forma que o Olympe, que em 2016 ficou em 17º na lista dos melhores restaurantes da América Latina passou agora a figurar na lista dos melhores do mundo.

 

Serviço:
The World’s 50 Best Restaurants 2017
Site – http://www.theworlds50best.com/
Facebook – https://www.facebook.com/50BestRestaurants/

 

Reginaldo Andrade

Fotos - Facebook e divulgação

 

Uma ideia sobre “Vale a pena fazer parte da lista dos 50 melhores restaurantes do mundo?”

Deixe uma resposta

Semana 25# Gurumê e o futuro dos restaurantes no Brasil

Publicidade

Publicidade
-->
-->

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2017 Infood - Todos os direitos reservados