É inegável o crescente movimento global de preservação ambiental. As pessoas, cada vez mais, estão tendo uma conscientização maior do que é a sustentabilidade. Com isso, o uso do plástico, um dos principais vilões, vem sendo combatido. Qual o impacto ambiental de um canudinho de plástico? O canudinho representa 4% de todo o lixo plástico do mundo.

O canudinho, por ser feito de polipropileno e poliestireno (plásticos), não é biodegradável, podendo levar até mil anos para se decompor no meio ambiente. Além disso, a produção de canudos utiliza petróleo, uma fonte não renovável.

E o pior: um canudinho é usado por cerca de apenas quatro minutos. Um tempo muito curto para o estrago que ele acaba fazendo no meio ambiente.

Em vários países do mundo o canudo de plástico já foi banido. Em lugares como Reino Unido, Estados Unidos e Canadá, já se utilizam canudos alternativos para substituir o plástico.

Como substituição ao canudinho de plástico, pode-se usar o canudo de papel, canudo de inox, de vidro. Uma das desvantagens para o setor é o custo: enquanto cada canudo de plástico custa R$ 0,05, o de papel sai por R$ 0,40, o de inox R$ 9, e o de vidro, R$ 40. Isso sem falar que alguns clientes vão simplesmente levar os canudos para casa. Uma outra alternativa é o canudo comestível, feito com açúcar, gelatina bovina e amido de milho. E existe até o canudo de macarrão. Ou então, uma outra excelente opção, é não utilizar canudo algum.

Fato é que restaurantes, lanchonetes e bares terão que rever a sua utilização. A cidade do Rio de Janeiro saiu na frente com a sanção do prefeito Marcelo Crivella do Projeto de Lei de autoria do vereador dr. Jairinho, que agora virou a Lei 6.384, de 04/07/18, obrigando os estabelecimentos a usarem e fornecerem canudos de papel biodegradável e/ou reciclável individual e hermeticamente embalados com material semelhante. É a primeira cidade do país a proibir o uso de canudo de plástico. Quem descumprir a lei será multado em R$ 3 mil, valor que será dobrado em caso de reincidência.

Em São Paulo, existe um Projeto de Lei em tramitação, o PL 99/2018, de autoria do vereador Reginaldo Tripoli, do PV, sobre essa mesma questão. Dispõe sobre a proibição de fornecimento de canudos confeccionados em material plástico, nos restaurantes, bares, padarias e outros estabelecimentos comerciais. A multa para descumprimento poderá ser de até R$ 8 mil. Ainda falta o projeto passar por comissões para ser aprovado.

A Infood conversou com o vereador Reginaldo Tripoli, autor do Projeto de Lei que proíbe o uso de canudos de plástico em São Paulo. Ele, que há um ano e meio exerce o mandato de Vereador na Câmara Municipal de São Paulo, tem como foco a proteção animal e proteção do meio ambiente.

De acordo com Reginaldo, sua intenção ao protocolar um projeto para proibir os canudos é diminuir o uso do plástico. “Acho que o projeto é muito mais um símbolo, porque atinge todas as pessoas. Todo mundo usa canudo. E no momento em que não puderem usar o canudo, e for dito o motivo, há uma conscientização da população. Para se ter uma ideia, são 8 bilhões e meio de toneladas de plásticos usados e apensas 9% disso é reciclado. Hoje, quando abrimos a torneira de nossas casas, 70% da água consumida tem o micro plástico.  O projeto vai muito além da proibição do canudinho .”

O vereador acredita que essa medida não irá prejudicar os estabelecimentos.  “Os estabelecimentos irão demonstrar uma preocupação com o meio ambiente, e isso já é uma coisa boa, pois dará uma visibilidade positiva para eles. E a verdade é que o canudo não é necessário.”

Quanto ao trâmite legal do Projeto de Lei, Tripoli acredita que vai ser rápido, entrando rapidamente em vigor. “Creio que no segundo semestre deste ano ainda ele seja aprovado e sancionado pelo prefeito.”

Agora é questão de cada estabelecimento fazer a sua parte, se adaptar, usar a criatividade, e mostrar para o seu cliente a importância da preservação ambiental.

 

 

Por Redação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2019 Infood - Todos os direitos reservados