Natalino dos Santos, 23, é acriano, da capital Rio Branco – “lá no final do Brasil, com muito orgulho”, diz.

O jovem irá no final do mês à Argentina receber o prêmio Miradas 2019 pelo trabalho que vem desenvolvendo com a gastronomia amazônica. Mais um reconhecimento do grande cozinheiro que vem se tornando. Atualmente atua como chef no Resort Hotel, na sua cidade natal.

Início

Órfão de pai aos 6 anos de idade, não teve a simpatia do padrasto, que o maltratava. Com 10 anos, acabou sendo expulso de casa e teve que trabalhar para se sustentar. Chegou a exercer o ofício de engraxate, até que arranjou um emprego como cortador de pão de hambúrgueres numa lanchonete. Dali a se tornar pizzaiolo, com 14 anos de idade, foi um pulo.

Pegando gosto pela cozinha

Nesse processo todo, acabou se apaixonando pela cozinha, e tratou de ler e estudar bastante. Precoce, tornou-se cozinheiro com 16 anos. No ano seguinte, já criava suas próprias receitas com insumos da região Norte.

Terminou a faculdade de gastronomia na Unicesumar há cerca de um mês. Nunca pensou em outra profissão. “Essa é minha paixão. Eu me sinto bem cozinhando”.

Trabalhou na sorveteria Milk Shake, no restaurante Tropicália, e está há dois anos no Resort Hotel, maior resort do Estado do Acre. Ali acumulou o cargo de gerente de A&B e chef de cozinha.  Nesse período no hotel, preparou alimentação para cerca de 30 mil pessoas.

O melhor da gastronomia

O que eu amo é criar. Gosto de trabalhar com a gastronomia amazônica. A região em que moro não tem seus produtos muito explorados.” Natalino dos Santos gosta de trabalhar com o açaí, com o tucupi, com a mandioca, e com o peixe mandi.

O jovem chef acredita que está na hora de valorizarmos o que é nosso, o produto brasileiro. “Acho muito bonito o que o Alex Atala faz, de valorizar o insumo local. O Brasil poderia se tornar uma potência da gastronomia na América Latina.”

Carreira

Atualmente está em negociação com o resort, pois recebeu uma proposta tentadora fora do país. O convite é para trabalhar como consultor no Catherine de Santa Rosa, na Bolívia. O salário que receberá lá é três vezes maior do que o atual. “Há 98% de chance de eu aceiar essa proposta, pois quando voltar poderei montar o meu próprio restaurante.

Referências e sonhos

Suas referências como cozinheiro são Alex Atala e Virgílio Martinez, “que fazem um trabalho magnífico.” Inclusive, Virgílio Martinez já ganhou o prêmio Miradas no passado.  

Como cozinheiro, seu sonho é ter o seu próprio restaurante, e torná-lo uma estrela Michelin. “Quero fazer a criação da minha própria horta no restaurante. Farei, nesse meu restaurante, uma adequação da culinária amazônica com a cozinha molecular. Algo que ainda não existe.” Todo seu conhecimento de cozinha molecular, que ele afirma dominar, veio através de estudos no Youtube.

Fonte de inspiração

No seu processo criativo, busca inspiração na natureza: “Olhando para a floresta me vem a inspiração. Também, quando vou para o mercado municipal e olho o insumo, já vem à minha cabeça o que fazer. Faço testes do prato, vou aprimorando, até ficar perfeito. O funcionamento da mente de um cozinheiro é inexplicável. Há o processo de criar o prato e o de desenvolver o prato.”

Dificuldade

Uma dificuldade que Natalino enfrenta na cozinha vem pelo fato de ser muito jovem. “A pouca idade causa um certo preconceito. Comandar uma cozinha não é fácil. Ainda mais quando se tem 23 anos de idade, e o cozinheiro mais jovem tem 30 anos. Todos eram mais velhos do que eu, e a hierarquia é complicada.

Prêmio Miradas 2019

O prêmio Miradas 2019 acontece no dia 26 de março, na Argentina. O chef esteve em novembro em Lima, no Peru, para participar de uma palestra num Simpósio Internacional, apresentando formigas de ouro da floresta e criando um risoto de tapioca. Algumas pessoas do comitê do prêmio Miradas que estavam na ocasião comunicaram-lhe sobre sua participação no Prêmio. “Estou indo lá para receber o prêmio pelo trabalho que venho desenvolvendo com a gastronomia amazônica. Eu me sinto honrado por receber esse prêmio. Nunca pensei que chegaria onde estou hoje. Se me dissessem que eu iria de engraxate a chef de cozinha internacional, com 23 anos de idade, eu não acreditaria. Até perco o sono só de saber que irei à Argentina receber um prêmio.”

Recado

Deus tem aberto as portas para mim. Todos os dias eu me ajoelho e agradeço.“ Para aqueles que querer ser cozinheiros, Natalino insiste: “Nunca desista do seu sonho. Quero que as pessoas vejam o quanto Deus é bom comigo. O seu sonho é possível de se realizar. Não podemos desistir dos nossos sonhos.

Tempo livre

No pouco tempo livre que tem, gosta de ler e de dormir, para poder descansar. “Eu moro sozinho, mas não cozinho em casa para mim. Quando estou com fome, ligo e peço um x-tudo”, finaliza Natalino, comprovando o ditado popular que ‘casa de ferreiro, espeto de pau’.

Resort Hotel Rio Branco

www.facebook.com/hotelresortacre

Prêmio Miradas 2019

www.facebook.com/premiomiradas

Por Redação
Fotos: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade
Publicidade

Para receber a newsletter Infood, digite seu e-mail no box abaixo e clique na seta.

© 2019 Infood - Todos os direitos reservados